Páginas

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

O terreiro de umbanda é uma porcaria. Nunca mais vou lá!!!

Bem, se você teve uma experiência ruim em um terreiro, lembre-se que:
1) Há muitos tipos de Umbanda. Tipos diferentes. Pode ser que você não tenha gostado do tipo que presenciou. Descubra 'outras Umbandas'. Por exemplo, para quem não gosta de imagens no terreiro há a Umbanda Esotérica. 

2) Dentro do mesmo tipo de Umbanda, há terreiros muito diferentes uns dos outros. Antes de generalizar sua opinião e dizer que todos são iguais, certifique-se de conhecer mais alguns templos. 

3) Melhore a sua energia. Você será naturalmente atraído para o lugar que estiver na sintonia daquilo que você vibra. Descubra as razões pelas quais quer conhecer um terreiro e veja se elas te levam a um bom lugar. Procurar um terreiro para fazer amarrações ou se vingar de alguém por exemplo, não o coloca em uma boa sintonia. Lembre-se que na Umbanda não fazemos amarrações nem trabalhos mágicos para prejudicar quem quer que seja. Se um terreiro oferecer esse tipo de serviço, fuja para as colinas. Não é Umbanda. 

4) Dentro do terreiro nada pode ser cobrado. Passes, consultas, desobsessão, aconselhamento etc. não são cobrados. O terreiro pode fazer um evento de caridade para ajudar nas contas. É muito difícil manter financeiramente um templo. Mas jamais cobrar por auxílio espiritual, senão não é Umbanda. Umbanda é caridade.
 
5) Depois que estiver em um bom terreiro, sua vida tem que melhorar. Mas melhorar pode ser se livrar daquilo que te faz mal, como um relacionamento desgastado ou um emprego ruim, por exemplo. Mas a médio prazo, você deve se sentir mais feliz e autoconfiante. Lugares que sugam a sua energia, provocando a sensação constante de cansaço e desarmonia, devem ser evitados.


P.S. UMBANDA não é CANDOMBLÉ. Lembre-se sempre disso. Candomblé é lindo e tem suas próprias regras e fundamentos. A Umbanda é linda e tem suas próprias regras e fundamentos. Mas são religiões distintas. As coisas que eu disse acima são sobre Umbanda e não Candomblé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário