Páginas

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Assédio Sexual nos terreiros


É com grande pesar, que começo a escrever esse texto, porque chega a ser vergonho ter que conscientizar as pessoas sobre o assunto, porque respeito é direito que todos devem ter para consigo mesmo e para com os outros.

Já não foi nem um nem dois casos de pessoas, adeptos do nosso meio religioso, que me procuram vem me contar das suas tristes e decepcionantes experiências com maus dirigentes, sobre o assédio oriundo de supostos pais e mães de santo, e de suas respectivas entidades.

Primeiro vamos analisar com propriedade o que é assédio sexual:
Assédio sexual é um tipo de coerção de caráter sexual praticada geralmente por uma pessoa em posição hierárquica superior, em relação a um subordinado (mas nem sempre o assédio é empregador – empregado), o contrário também pode acontecer, normalmente em local de trabalho ou ambiente acadêmico.

Pois bem, já ouviram falar de assédio religioso? Pois é o assédio religioso entra questões como preconceito e intolerância, fanatismo, abuso moral por imposição e abuso de autoridade religiosa, a devastadora lavagem cerebral e todo seu modo operandis, assédio moral também entra nesta questão, porque há situações que provocam profundo constrangimento para a vítima,  perante a sua sociedade religiosa.

Vou explanar algumas situações para que cada irmão reflita a respeito. Alguns casos que chegaram ao meu conhecimento nesses anos de Umbanda.

Conheci duas pessoas, ambas me contaram suas histórias e ambas disseram ter sido abusadas dentro do quarto de santo (pasmem), não vou relatar aqui detalhes, mais posso garantir que foi de tremendo constrangimento e vulnerabilidade.

Um iyawô dentro do quarto de santo ele fica exposto muitas vezes, seguindo as orientações dos babas e iyás da casa, e no caso dessas pessoas  ambos foram abusados pelo próprio pai de santo, então vocês imaginam o desgosto, a frustração, a quebra de confiança, a indignação, além das agressões físicas fica a agressão psicológica e moral. Na época até perguntei para eles porque não tinham denunciado, por incrível que pareça eles disseram que não haviam denunciado por MEDO, medo de feitiçaria, da exposição, da zombaria. 

Infelizmente a vítima as vezes se cala. Pensemos. Isso tem que acabar.

Já soube não foi um e nem dois casos de assédios oriundos de dirigentes na hora do atendimento, do passe, usando da roupagem de suas supostas entidades, porque vocês hão de concordar que guia nenhum verdadeiro vai dar cantadas, e assediar. Dois casos desses, ambos os CANALHAS,  se dizendo estar incorporados com famosos exús que nem vou citar o nome porque considero desrespeitoso para com a entidade verdadeira, chegavam em consulentes, e em médiuns da casa,  jogavam no caso a mulher contra o marido, dizendo que o marido não é bom suficiente para ela, e sedutoramente iam debulhando elogios, e olhares, o  oposto também acontece, etc. O mais absurdo que quando eram abordados de tais comportamentos diziam que era porque o tal exú ou mesmo pombogira em questão era sedutor e “pegava” todas as pombogiras, então que era comum as filhas se sentirem atraídas por ele, tipo… (acredito que não preciso exemplificar), o outro soube que levava suas filhas de santo para o Motel na hora “H”, incorporava o tal exú. Conseguem mensurar a situação e a cena ridícula.

Vejam bem esse assédio não é só de homens para com mulheres, sei de casos de supostas dirigentes que fizeram da vida de seus filhos de santo um inferno, também usando da roupagem de suas supostas pombogiras, as quais quando em terra, ficavam galanteando, cantando, e seduzindo os filhos e consulentes da casa.

Outro  caso o suposto dirigente quando percebeu que não iria conseguir seu intento sexual com a consulente, supostamente com o exú, começou a expor a vida da consulente em alto e bom som, falando coisas de sua vida sexual (suposições é claro).

Há casos de assédios de filhos e filhas de santo também para com os dirigentes, só que nesse caso é mais fácil de coibir porque não vem da diretriz da casa, então a doutrina quando existe é imposta com fervor nesses casos.

Infelizmente algumas pessoas confundem afeto, com convite de algo a mais, W.W da Matta já alertava do risco neste sentido.

Eu não sei se está dando para mensurar o quanto isso é lamentável, decadente, e deprimente, e principalmente o quanto é sério o impacto perante a sociedade religiosa tais comportamentos. Porque um dirigente dessa estirpe ele não expõe  só seu terreiro mas envolve o nome da religião em suas patifarias. Fora que leva uma má imagem para quem não conhece a fundamentação da sagrada Umbanda, um médium que passa por isso pode simplesmente abandonar sua fé devido tamanha decepção, como já sabemos que aconteceu infelizmente, para alguns não tem segunda chance. 

Soube também de um caso em que o dirigente estava com seu marinheiro, levantou a saia da filha  e começou a falar que já tinha visto a filha de santo nua, em plena gira. Tem coisas que é simplesmente absurda, cadê a postura a conduta desse dirigente, não há nenhuma  é o fim da picada. Brincadeiras acontecem sim, faz parte, mas precisa-se tomar cuidado algumas brincadeiras pode ter segundas interpretações. Se a brincadeira vamos por assim partir de um médium, o guia chefe tem que coibir na hora, e o que fazer quando é oriundo do dirigente? que deveria dar o exemplo? complicado.

A canalhice vai muito além do simples assédio, esses tipos de pessoas eles destroem vidas, destroem casamentos, uniões estáveis, porque quando pegam uma pessoa mais sugestionada, mais ingenua e crédula, vão fazendo uma verdadeira lavagem cerebral. Principalmente quando enxergam naquela pessoa seu ponto fraco, sua fragilidade e muitas vezes sua carência, seus problemas íntimos e inseguranças, ai acabam que usando disso para tirar vantagens tanto materiais como sexuais em muitos casos.

Como agir:

Primeiramente, pensemos e vamos analisar,  uma casa assim é um terreiro de Umbanda ou casa religiosa idônea? Claro que não, é óbvio que não, mas parece que quando a situação não é com a pessoa, parece que não é importante, porque digo isso… porque muitas vezes a pessoa antes de se tornar o alvo, viu acontecer com outras e simplesmente fez de cega(o), foi conivente, passivo. Aprestem bem atenção, uma casa em que assédios são constantes, traições, promiscuidades, e o dirigente não toma nenhuma atitude, tenham certeza que ele NÃO PRESTA de igual forma, entra questões de sintonia e afinidade.  Porque qualquer dirigente idôneo vai preservar a moral e dignidade de sua casa.
Muitos dirão quando um não quer dois não briga, VERDADE, concordo que há casos sim que houve conivência, tem médium que se sente importante, se sente exclusivo quando recebe esses assédios, a grande maioria médiuns com falta de caráter, auto estima, carência, porque esses tipos de pais e mães no santo, quando obtém o que querem, com o tempo vão descartar como um pano de chão usado, não tenham duvidas, ai muitas vezes a pessoa estragou seu casamento, seu relacionamento, em troca de uma ilusão. E quando a frustração e decepção chegar pode ser tarde para voltar atrás.

Uma dica, NÃO TENHAM MEDO,  como citei acima, muitas vezes a pessoa fica com medo, porque é ameaçado, tem medo de feitiçarias, tenham certeza de uma coisa, não tem feitiço que aguente a machada da justiça de Xangô e a força de pemba dos guias, se o irmão(ã) estiver passando por isso, DENUNCIE, grite aos 7 Ventos, essa corja tem que sair do meio da nossa religião sagrada, denuncie na policia, denuncie em federações, exponha a cara do cidadão e mostre que você tem dignidade, que você ama a religião que professa, a Umbanda não merece esses tipos de canalhas no nosso meio religioso. Um dirigente com tais posturas,tem que ser parado e ser corrigido, até mesmo para o seu próprio bem, antes que alguém tome medidas não tão saudáveis.
Aconselho também as pessoas vítimas de tais comportamentos sempre terem testemunhas do ocorrido isso é importante, para se evitar que o lado culpado não inverta a situação, achando argumentos para sua defesa, isso quando forem parar em causas judiciais.
Se deem ao respeito, se querem ser respeitados. Levem isso como lema. Sejam pessoas dignas e se coloquem em seus devidos lugares.

Na primeira situação ocorrida, não fiquem pensando duas vezes,  se retirem do local, nenhum pai de santo ou mesmo mãe de santo vai ficar galanteando filhos de santo, assediando, falando elogios de teor convidativo sexual. Lembrem-se se deixou passar uma vez, vai acontecer de novo com certeza. Ficou fácil.
Existe uma diferença muito grande do ato de se fazer um elogio, para o de uma cantada com segundas e terceiras e quartas intenções.

Porém alguns precisam entender a diferença.

Meus irmãos e irmãs, nenhum guia vai ficar cantando consulente ou médium, pelo amor de Deus pode ser a entidade que for, nenhum guia idôneo e sério faz esses tipos de comportamentos. Tipo: Nossa você está demais hoje, junto com aquela passada de olhar que vai desnudando a pessoa, adoraria sair com você se fosse vivo, vou se deitar com você em seus sonhos, pombogira é mulher de 7 maridos então você será meu homem hoje, tipo de conversas dessa para pior. ALôuuuuu!

Que tipo de antro é esse?

Agora tem um porém tem casos em que a filha ou filho cede ao assédio, sabe perfeitamente que estava tendo uma má conduta, ai quando o tal pai ou mãe no santo enjoa e não quer mais e larga, ai o coitadinho quer denunciar. Só lembrando que pessoas que se comportam assim são tão quanto canalhas quanto os supostos dirigentes. Lembrando quem não se dá ao respeito, não tem o que se queixar quando é desrespeitado.

Então gravem bem isso, não sejam coniventes com posturas como essas, tenham amor a religião e não compactuem com isso, não fiquem em antros assim, denunciem  se for preciso, se for na hora de uma gira, gritem, falem ao 7 ventos, pessoal … fulano, a suposta entidade X ou Y está me assediando, porque só expondo, denunciando, processando, fazendo a pessoa passar vergonha, vamos conseguir higienizar a nossa religião desses tipos de gente.

Sabe a questão de quem cala consente é bem isso. Se você se cala, você está sendo conivente, está aceitando tal postura com você. Guardem bem isso.

Lembrem-se o assédio que aconteceu com aquele irmão e irmã que você fingiu que não viu, porque não era com você, amanhã poderá ser e você também não vai ter ninguém para te defender.

Olha esse assédio infelizmente está tendo não só sexualmente falando, está tendo moralmente, financeiramente, dirigentes que são escórias no nosso meio que estão usando de nomes de entidades verdadeiras para coibir,  tirar proveito de pessoas ingenuas, crédulas, sugestionáveis, o que elas tem, são verdadeiros vampiros encarnados.

Infelizmente esses tipos de maus sacerdotes tem em todas as religiões, porque é índole é caráter, e hoje em dia qualquer um está assumindo um terreiro de Umbanda, e demais seguimentos.

Deixo também um alerta importante para meus irmãos e irmãs sacerdotes de Umbanda, que são médiuns dignos e comprometidos, tomem cuidado com assédios interinos oriundos de filhos e filhas de santo, se vigiem, porque há forças que se sintonizam e que criam laços com certas afinidades e posturas indignas, espíritos nefastos adoram desviar um sacerdote do seu caminho, de sua missão, usando para isso todo meio que lhes dê acesso.

Espero realmente que com esses alertas, as pessoas que estejam sofrendo com isso, possam alimentar suas coragens e dar um basta, tomando atitudes em prol e benefício da religião.

Um verdadeiro médium ele não pode ser egoísta, ele tem que ter pleno discernimento do que é certo do que é errado, e do seu papel perante a religião e saber que o seu calar, o seu medo, pode prejudicar outras pessoas inocentes.

Paz e Luz a todos.

Que meu Xangô seja justo, dando para cada um de acordo com seu merecimento.

Cristina Alves

Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

Um comentário:

  1. Fui encaminhada ir aí por uma pessoa idônea de 90 anos e estava só esperando p saber qdo reiniciariam as sessões mas ao ler esse artigo estou reticente.. não sei o pque pensar . Muito triste essa situação

    ResponderExcluir