Páginas

domingo, 29 de janeiro de 2017

A Lei do Retorno – Umbanda


Já a muito tempo tenho observado que as pessoas tem brincado demais com as leis espirituais, onde alguns conselhos de nossos guias e mentores são completamente esquecidos de acordo com a conveniência de cada um.

No nosso meio umbandista, é muito comum ver certos médiuns se dando certos poderes espirituais que na realidade não lhes pertence, não podem ter nenhum desconforto, nenhum problema pessoal, que já começam a usar das entidades como se elas fossem seus cães de guarda.

Se há uma entidade que é foco nessas guerras de ego é nossos exús e pombogiras, é um tal de meu exú faz aquilo, minha pombogira faz isso.

O que o médium negligência é que tipos de espíritos  que se colocam como capatazes, senhores do mato, a caçar  inimigos como no tempo dos escravos em troca de favores ou barganhas não são idôneos.

Será que um exú e pombogira guardião da lei faria isso, sem pleno discernimento das leis espirituais de causa e efeito, acredito que não. Parem e reflitam, lembrem-se o conhecimento liberta.

Tenho medo do escuro e do inseguro, mas se você ficar tudo vai embora.: 

É muito comum ver em casas sem doutrina, e sem presença e amparo espiritual idôneo o tal toma lá da cá, onde chega uma pessoa lá com um nome diante da entidade, “a pessoa é sempre a vítima da situação, o prejudicado “, pedindo ali para entidade dar um jeito no cidadão(ã), ai o exú já de pronto momento, sem questionar, já começa a fazer o trabalho ou dá uma listinha básica para o intento. Os maus espíritos usam de vários meios para enganar, muitos se passam de bons, cumprem promessas, simplesmente para atrair os incautos para suas teias de maldades, os usando de veículos. O invigilante em sua ânsia de conquistar seu intento, não vê o óbvio.

Aprendam, um guia idôneo ele fala o que você precisa, necessita ouvir e não o que você quer ouvir, ele não está ali para amaciar seu ego e suas vaidades.

"Muitas vezes temos que nos esconder atrás de máscaras , não por ser falso mais sim pra evitar mais tristeza": 

Cuidado na hora do atendimento, cuidado com aparências, falta de caráter, idoneidade, dissimulação, maldade, não tem rosto, nem idade. Já vi pessoas idosas extremamente maldosas e manipuladoras, se passando por vítimas para prejudicar e usar de forças espirituais para saciar suas ânsias de maldade e vingança. Médiuns tomem muito cuidado com esses tipos de pessoas, devem ser evangelizadas e direcionadas na medida do possível, não pensem que é uma tarefa fácil, muitas estão cegas de ódio e vingança.

Muitos não pensam o que estão fazendo, agem por impulso, por despeito, raiva, mágoa, tristeza, se auto dando um poder de decidir o destino ou os caminhos de outra pessoa.

Será que temos esse direito? só porque não gostamos de alguém de ficar fazendo feitiçarias a torto e a direito, simplesmente por vingança? Acredito que não.

Já em inúmeras matérias sobre feitiçaria, eu afirmo TODO FEITICEIRO ACABA MUITO MAL, tem um destino triste, e sabem por que? porque Deus não dorme, e existe uma ordem espiritual justa.

O médium ele tem que tomar muito cuidado para não se corromper nas teias da maldade e vícios morais humanos, porque quando o médium se coloca como instrumento da maldade, ele com certeza terá sua justa paga, escolhas e consequências, o que os guias chamam de FORÇA DE PEMBA.

A FORÇA DE PEMBA é quando os guias do médium se afastam, deixando que o próprio médium devido suas escolhas colham suas consequências, o guia fica vigiando, observando, mas não interfere, deixa que o médium através do seu próprio choque consciencial, observe suas atitudes.

Muitos ficam a dar voltas em círculo, porque o ego, o orgulho e a vaidade, os maus conselhos, os cega.

A força de pemba não tem tempo e nem prazo. Muitos médiuns, depois de muito tempo se defrontando com suas perdas e fracassos, começam a envergar, tenham certeza quanto a isso, o sofrimento leva a redenção. Expurgo.

Muitos médiuns saem de seus terreiros os desmerecendo, indo contra a vontade de seus próprios guias, até que um dia, é somente lá, que encontrará o alento, o lenitivo para suas dores e sofrimentos.

Nossos guias e mentores, sempre nos aconselham a termos cuidado com a maledicência da língua porque ela fala e o corpo paga.

E quando o médium se redime, a lição foi aprendida, e a força de pemba consumada. E  vos falo,  é uma lição dura, mas muitas vezes necessária, porque só assim alguns médiuns aprendem e se tornam melhores. A evangelização tem vários meios de conseguir seu intento, não se esqueçam.

Nunca muda.: 

Cuidado com entidades que não questionam certos pedidos, cuidado com entidades que tudo é permitido se houver uma justa paga, cuidado… espíritos assim são malfazejos, negativos e vampirizadores, inclusive podem se disfarçar como lobos em peles de cordeiro, usando de nomes de entidades idôneas. 

Quando uma pessoa chega diante de um espírito dessa categoria, a busca de vingança, maldade, no intuito de corromper ou mesmo manipular a vontade de outro, ele está criando um laço com aquele espírito, um elo, como se ele tivesse assinando um contrato de consentimento, permissão.

No plano espiritual há ordens sagradas de espíritos, que trabalham em prol do bem e da caridade, que defendem e protegem, e trabalham em prol do amor e da caridade, não permitindo que um inocente sofra injustamente.

Então acredito que consigam mensurar as consequências de quando uma injustiça é praticada, de quando uma feitiçaria é feita para quem não merece, as leis são justas e duras e cada um colherá de acordo com sua semeadura.

O feiticeiro, o espírito e o mandante: quando fazem um feitiço eles não vão atingir somente a vítima, eles irão atingir a outras pessoas em volta, criando laços de mágoa, rancor, dor, sofrimento, tristeza. Quando você faz uma feitiçaria para alguém ficar doente, por exemplo um pai de família, ele deixará de trabalhar, seus filhos passarão necessidade, ele terá perdas, e será que isso perante os olhos de Deus ficará impune? com certeza não.

Mal sabem que estão a beber o copo com o líquido amargo das desgraças de suas próprias intenções.

Os guias e mentores sempre estarão na defesa de quem teme a Deus e pratica as leis da caridade e do amor, poderão sentir o impacto das energias nefastas, mas jamais ficarão desamparados, porque esses espíritos benfeitores irão achar meios de os auxiliar, isso podemos chamar de providência divina. Por isso que o sustentar da fé é tão importante, onde nossos guias e mentores sempre dizem: “…nos piores momentos dobrem as orações…”.

Quanto a Umbanda, queremos deixar frisado que nenhuma casa séria e idônea de Umbanda que segue a risca as leis da espiritualidade suprema, se prestará a tais intenções e maledicência , ou trabalhos de feitiçarias de qualquer monta.

Muitos médiuns videntes quando se deparam com espíritos negativos, obsessores, sofredores, descrevem que suas aparências são extremamente deploráveis, com chagas, verdadeiras póstumas, uns ficam até irreconhecíveis, sabemos que tem ali um espírito que foi humano, mas que ficou muito pouco de sua humanidade.

Isso é reflexo das sementes semeadas na vida terrena, que dão frutos amargos no pós vida. Mas não se enganem isso não começa só depois do desencarne, o mal tem endereço próprio, questões de sintonia e afinidade, os espíritos maléficos não são amigos de ninguém, estão fora de suas consciências e presos em seus próprios sentimentos de dor e vingança, quando os feiticeiros, os mandantes, as pessoas de mau coração deixam de os servir, estes se viraram contra eles, agindo como verdadeiros hospedeiros, sugando suas energias, e na matéria essas larvas que vão sendo colocadas vão virando doenças, canceres, demências. Infelizmente é só o começo. Muitos passam anos de sofrimento terreno e quando desencarnam irão passar ainda mais tempo, até conseguirem a REDENÇÃO.

O médium tem que se vigiar, nunca usar de seus dons espirituais para causar prejuízo e dor alheia, vaidades, arrogância e vinganças, nunca se prestar a feitiçarias que visem a destruição de outras vidas, nunca se dê o direito de manipular a vontade alheia.

Muito cuidado meus irmãos a raiva nunca foi boa conselheira, cuidado com  AS TAIS DEMANDAS provocadas, criadas, cuidado com demandas que nunca existiram, não brinquem e não subestimem a força de Exú e Pombogira que respondem nas leis sagradas da Umbanda. Se algo está acontecendo, uma energia nefasta está tentando invadir as fortalezas espirituais de um terreiro de Umbanda, não tome por si só certas resoluções, deixe para quem de direito deve resolver, fortaleça sim suas fronteiras íntimas, do seu grupo religioso, para que esses tipos de energias não encontrem acesso em seus corações. Orai e Vigiai.

Tem uma frase de Jesus que gosto muito e que leva a muitas reflexões:

“… QUEM PLANTA VENTO, COLHE TEMPESTADES…”

Minha cabocla, minha mentora Cabocla Jupira, sempre me ensinou que tudo retorna tanto bem quanto o mal que praticamos, só que o mal retorna em dobro, que é uma forma de ensinar que o mal não compensa. Pensemos. 

Quando destruímos uma amizade verdadeira, um relacionamento de um casal, quando manipulamos a vontade de outro, quando fazemos um feitiço que visa destruir a vida de outra pessoa, temos que ter plena consciência que O COBRADOR irá bater a nossa porta, e ele só irá sair quando tudo for bem pago.

Será que estarão preparados para pagar o preço de suas atitudes? acho que não.

Infelizmente alguns médiuns estão cheios de ego e vaidade, muitos estão tão perdidos que não conseguem nem discernir com que forças estão se canalizando e afinando. Se tornam verdadeiras marionetes.

Muitas vezes nos deparamos com médiuns que estão em situações difíceis, no amor, no trabalho, na saúde, na família, muitos casos são apenas reflexos do que fizeram na vida de outras pessoas, através de seus supostos dons espirituais, se é que podemos chamar de dons.

A vida é uma escola severa, rígida, onde precisamos estar bem atentos a certas lições e avisos, estudem bem, apliquem bem os ensinamentos dos nossos guias e mentores, eles lutam para que sejamos poupados de sofrimentos desnecessários.

Mas infelizmente alguns alunos nessa vida, simplesmente não querem passar de ano, e ficam a repetir e repetir velhas e antigas lições e tarefas, até que aprendam.

Entendam que nossos guias e mentores querem o nosso bem, trabalham para o nosso progresso espiritual e não para nossa derrota. Como bons professores, querem o nosso melhor. 

Enfim para finalizar deixo uma frase que ouvi muito de guias e dirigentes antigos de umbanda:

A espiritualidade é uma faca de dois gumes, se não souber mexer, ela te corta. 

Que a justiça de meu pai Xangô sempre oriente os corações dos médiuns de boa vontade e que a espada sagrada de Ogum não permita nunca que as forças do mal vençam.

Cristina Alves

Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário