Chat


Get your own Chat Box! Go Large!
Tenham bom senso e responsabilidade com o que está sendo dito, com bom uso e principalmente, tendo em mente que TODOS deverão ser respeitados em suas diferenças, inclusive de opinião. Assim, nenhum usuário precisará ser bloqueado. O conteúdo da conversa, deve ser relacionado aos temas do blog.
É proibido o uso de nicks com nomes de Entidades, Cargos do Tipo Pai, Mãe, Ogan etc. ou Orixás, ou nicks considerados como insultuosos ou ofensivos.
É proibido insultar ou ofender qualquer utilizador deste chat. Respeite para ser respeitado.
Não informe dados pessoais na sala de chat, tais como E-mail,
Nº de telefone.
Esse tipo de informação deve ser em conversa privada com o membro, pois o Blog não se responsabiliza por quaisquer dano e/ou prejuízo.
Ao menos uma vez por semana, estarei presente e online para quem quiser conversar, compartilhar algo e/ou trocar idéias.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

O descaso dos médiuns velhos com os médiuns iniciantes


Por que será que em alguns lugares os médiuns iniciantes, em desenvolvimento, são tratados com tanto descaso e zombaria? infelizmente em alguns lugares parecem que são usados de uma forma, como se fossem um pano de chão e não pessoas (médiuns), usados por um lado e por outro simplesmente esquecidos pelos cantos.

Em alguns lugares os colocam para rodar sem parar, ao ponto de caírem no chão, em outros notamos a cara de deboche e o descaso dos outros médiuns da casa, que olham para aquele médium com aquele ar de tédio, impacientes, porque simplesmente não querem ficar ali dando suporte, para aquele médium que está engatinhando em seu processo de despertar. Umbandistas? sei não heim…

A uns dois anos atrás vi cenas como essas bem de perto, numa festa de Iemanjá na praia de Santos, coisas assim, que você simplesmente desacredita que ali tenha e esteja presente um dirigente espiritual a supervisionar, direcionar e doutrinar, médiuns que rodavam sem parar ao ponto de perderem a noção de direção e saírem desgovernados do espaço de seus terreiros, ao ponto de invadirem outras tendas, outros que simplesmente se esborrachavam de cara no chão, detalhe com supostas entidades em volta simplesmente deixando cair. Confesso que fiquei admirada, porque nunca vi um guia deixar um médium cair propositalmente no chão, com risco do mesmo se machucar.

Será que uma pessoa que entra para uma casa religiosa de Umbanda quer ser tratada dessa forma? acredito que não, o mais triste é ver médiuns se prestando a esse tipo de coisa, na inocência de pensarem estarem sendo bem direcionados e acompanhados. Chegam até a pensar, “… deve ser assim mesmo…” . Futuramente quando descobrem o quanto foram tripudiados e usados muitos até desgostam da religião e a abandonam, outros de uma forma ainda mais negativa, seguem fazendo o que fizeram com ele em outros novos médiuns, mas temos sim aqueles que por terem sofrido não fazem com outras pessoas, esses sim realmente entendem o que é ser Umbandista.

A questão importante e que devemos pensar e ponderar a respeito é que esses médiuns serão o futuro da Umbanda, da religião como um todo,  o que podemos esperar? de médiuns que estão sendo tão mal acompanhados? Pensemos.

E onde será que foram parar os verdadeiros guias chefes de Umbanda que permitem que dentro de suas casas, de seus terreiros, médiuns sejam tratados de uma forma tão desrespeitosa, porque observem nenhum guia idôneo vai tratar seus médiuns assim. Muito pelo contrário, eles tem muita paciência, direcionam sem pressa na questão que diz respeito a incorporação, porque sabem perfeitamente que cada médium é único e tem seu tempo. Mas são disciplinadores, muitas vezes severos em questões de disciplina, mas respeitam e muito seus pupilos, não usam de suas presenças para tripudiarem e humilharem ninguém.

Talvez por essa falta de diretriz é que estejamos vendo médiuns  extremamente anímicos e sugestionados, porque está faltando acompanhamento sério, presença espiritual verdadeira, seriedade na aplicação da doutrina, falta de estudo. Na realidade há falta de VONTADE tanto de quem está ali como doutrinador em ensinar, como para quem está na posição de médium neófito em aprender.

Estamos vendo médiuns que foram mal orientados, fazendo de um trabalho mediúnico sério, algo espetaculoso, circense, fantasioso, hoje em dia parece que quanto mais encenação teatral, mas ibope e status o terreiro tem, é como se as pessoas não estivessem a procura de um trabalho religioso e sim de um espetáculo, e quem costuma ser os carros chefes desses espetáculos são os médiuns neófitos que são usados por médiuns supostamente velhos que não sabem nem para eles mesmos, e acabam por ensinar errado. Isso é muito complicado de lidar porque já é costumeiramente difícil de lidar com a fantasia natural de todo médium iniciante em desenvolvimento mediúnico, agora imaginem quando essa fantasia é alimentada por quem deveria combatê-la.

Estamos vendo médiuns tão fantasiosos, que estamos vendo quase que uma apresentação teatral de tantas alegorias e fantasias, e o mais triste é que muitas das vezes suas verdadeiras entidades e guias passaram longe de tanta encenação, são até simplistas comparados a tanta realeza.

Os médiuns andam tão anímicos e sugestionados que você percebe a dificuldade que há de realizar uma incorporação quando não há o atabaque, alguns por exemplo, quando o curimbeiro está tocando um determinado ponto, e o médium está em desenvolvimento se o curimbeiro ou ogã como queiram chamar parar de tocar por alguma eventualidade , o médium simplesmente para na hora, apesar que tem muito médium velho que faz isso também, ai deixo uma questão a ser refletida: a incorporação deve depender exclusivamente de alguém estar cantando ou tocando o atabaque, ou a incorporação deve-se se originar de uma boa concentração, canalização e sintonia energética médium e guia? vejam bem, não estou entrando no mérito do valor do atabaque, mas sim da dependência desse instrumento de rito, que frise-se para que se alcance um bom objetivo deve ser muito bem tocado, com seriedade, ao contrário do que temos visto, onde vemos curimbeiros fazendo mais um espetáculo do que cantando os mantras em louvor aos guias e orixás. Uma outra questão dessa dependência é que tem médiuns que só incorporam se cantar o ponto de seus respectivos guias, imaginem então um terreiro onde haja 50 médiuns onde que os curimbeiros tenham que cantar um ponto para cada um, percebem a questão. Um guia quando bem sintonizado com seu médium, ele não vê dificuldade de acoplamento e incorporação.

Uma outra questão interessante é o fato de alguns lugares parecerem uma verdadeira pista de corrida para quem dá uma balançadinha primeiro, e vira um Deus nos acuda, onde os guias tem que se virarem em verdadeiros ninjas correndo de um lado para o outro. Percebam bem, um desenvolvimento primeiramente deve ser bem conduzido, acompanhado, sem alardes desnecessários, onde quem vê de fora, simplesmente nem consegue atinar o que se passa ali.

Nossos médiuns estão sendo colocados dentro dos terreiros para angariar número e não qualidade, é como se bastassem ter apenas a casa cheia, mas qualidade de trabalho espiritual e mediúnico ficassem em segundo plano. E pergunto o que adianta ter 40 médiuns dentro de um terreiro, que quando todos estão supostamente “incorporados”, um bom médium vidente apenas vê uns 5 dentre eles que realmente estão com seus guias e mentores, e os outros achando que estão?

Todo bom dirigente, sabe perfeitamente o trabalho e o tempo dedicado para se construir um bom médium, muita dedicação, paciência e comprometimento, e mesmo com tanta garra, muitas vezes, nada…nada… e morre na praia, porque toda dedicação se torna inútil caso o médium iniciante não se conscientize de sua responsabilidade e também não se dedique de igual forma.

O que muito me admira as vezes é ver médiuns que já passaram por essa etapa complicada do despertar consciencial, do desenvolvimento, ter tanta falta de amizade, irmandade para aqueles que estão iniciando, os tratando tão mal, muitas vezes até maltratando tamanha a impaciência, com palavras grosseiras, ou mesmo supostas brincadeiras de mal gosto, piadinhas eteceteras.

E quem tem culpa disso tudo?

Eu como dirigente lhes respondo é os dirigentes, os caciques da casa, que muitas vezes são coniventes com tais atitudes, não tomando atitudes de pulso no conduzir de vossa casa, más posturas devem ser orientadas e advertidas para que não ocorram mais.

Um médium em desenvolvimento, primeiramente precisa passar por uma avaliação constante, suas duvidas devem ser tiradas a medida do possível, o médium iniciante tem que saber o por que sente certas sensações em seu corpo, em sua mente, para que com essas informações o medo, a insegurança, vão cedendo lugar, para um acoplamento espiritual firme.

Um médium iniciante quando colocado numa roda de desenvolvimento, primeiramente deve ser trabalhado sua confiança e segurança em quem o está direcionando.

Em hipótese alguma um médium deve ficar rodando desgovernadamente, sem ter ninguém por perto, que lhe preste uma assessoria caso se desequilibre, porque volto a dizer médium não é PIÃO. Um outro detalhe os médiuns que não estiverem incorporados deverão prestar assessoria de preferência o amparando com suas toalhinhas de pescoço, evitando o tocar diretamente. Médiuns de sexo masculino, deverão evitar de tocar em médiuns mulheres sem esses cuidados e vice versa, infelizmente já se teve notícias de situações bem constrangedoras.

Na questão do desenvolvimento e acompanhamento o lidar com o ser humano já não é uma arte fácil de se realizar, agora com um médium que acha que está incorporando o Thor ou a Mulher Maravilha é triplicado, alguns médiuns acabam que usando a roupagem de seus guias para extravasar suas inclinações e fantasias, então se um médium imaginar que ele pode sambar em cima de cacos de vidros, botar fogo em si mesmo, ele além de prejudicar seriamente a si mesmo, poderá causar um verdadeiro transtorno e danos para todo o terreiro. Médium novo, começou a demonstrar certas inclinações fantasiosas deverá ser orientado de imediato, porque onde possivelmente havia uma presença espiritual cedeu lugar para a fantasia anímica do médium. E não se espantem é muito comum, ver médiuns se machucando, e depois se justificando dizendo que seus guias ERAM FORTES E VIERAM COM MUITA FORÇA. 

O objetivo dessa matéria é mostrar algumas questões para os médiuns, as que provocadas por si mesmos, como as que causadas por outras pessoas. O que precisamos deixar aqui bem frisado: É QUE TODO MÉDIUM INDEPENDENTE SE FOR NEÓFITO OU VELHO NA CASA RELIGIOSA MERECE RESPEITO E DEDICAÇÃO, NÃO DEVENDO SER NEGLIGENCIADO, PORQUE UMA CASA RELIGIOSA É ANTES DE MAIS NADA UMA EGREGORA UMA FAMÍLIA E TODOS DEVEM SE RESPEITAR ENTRE SI.

E você médium velho que já passou por todas essas difíceis etapas, que se parar para refletir e recordar irá lembrar de ns. situações as quais até poderá lhe causar risos, quando lembrar o de quanto também já foi inocente, fantasioso e ingenuo, tenha um pouco mais de paciência e carinho para seu irmão iniciante, o trate com respeito, independente se você não foi tratado dessa forma quando iniciou, maus comportamentos e atitudes devem ser combatidas e esquecidas e nunca, jamais serem repetidas. Nunca se esqueça que as aparências enganam e aquele médium que hoje as pessoas podem estar negligenciando ou desprezando poderá ter em seu amparo um excelente mentor e guia que conta com sua ajuda para que através de seu médium cumpra sua missão.

E você médium iniciante, vá com calma, aprenda a ouvir muito, a falar pouco, perguntas para um dirigente é sempre bem vindas, porque o médium que pergunta é o que mais aprende, só o dirigente que não sabe nem para ele é que se melindra com perguntas, lembrando que tem hora para tudo e momento, não seja inconveniente. E quando estiver naquele estágio que achar que já sabe um pouquinho mais mantenha sua humildade e não seja orgulhoso, lembre-se o ego, o orgulho, muitas vezes nos priva de nos dar oportunidade de aprender coisas e vivenciar experiências novas, por isso calma, e cuidado com a pressa, a fantasia, o mundo espiritual é algo até muito simples, mas uma simplicidade bem complexa, controverso? pois é.. são as entrelinhas do lidar com mediunidade e espiritualidade. Por isso devagar com o andor que ele é de barro. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário