Chat


Get your own Chat Box! Go Large!
Tenham bom senso e responsabilidade com o que está sendo dito, com bom uso e principalmente, tendo em mente que TODOS deverão ser respeitados em suas diferenças, inclusive de opinião. Assim, nenhum usuário precisará ser bloqueado. O conteúdo da conversa, deve ser relacionado aos temas do blog.
É proibido o uso de nicks com nomes de Entidades, Cargos do Tipo Pai, Mãe, Ogan etc. ou Orixás, ou nicks considerados como insultuosos ou ofensivos.
É proibido insultar ou ofender qualquer utilizador deste chat. Respeite para ser respeitado.
Não informe dados pessoais na sala de chat, tais como E-mail,
Nº de telefone.
Esse tipo de informação deve ser em conversa privada com o membro, pois o Blog não se responsabiliza por quaisquer dano e/ou prejuízo.
Ao menos uma vez por semana, estarei presente e online para quem quiser conversar, compartilhar algo e/ou trocar idéias.

sábado, 10 de setembro de 2016

A pior doença mediúnica – Mistificação

Resultado de imagem para Mistificação

Como já foi dito em outros textos, existem dois tipos de mistificação a direta e a indireta, uma causada por espíritos enganadores e a outra por médiuns .
Em toda casa espiritual pode ocorrer o mal da mistificação, oriundo muitas vezes de um animismo exagerado, ou mesmo da vaidade e ganância de alguns médiuns.
O próprio contexto da palavra já é pesado: Mistificar – ludibriar, enganar, mentir, tirar proveito, embuste, farsa.  Com certeza médiuns idôneos não possuem tais características. 
A mistificação é um mal considerado grave perante o espiritual. Porque causa danos tanto para quem pratica quanto para quem é vitima de suas maquinações, atingindo tanto o plano espiritual quanto o plano físico.
Um ato controverso para quem afirma amar sua fé.
O que o médium mistificador se esquece que ele mistificando está manipulando, brincando com forças espirituais, podendo despertar ataques e obsessões graves para sua vida.
Muitas vezes o médium está com problemas pessoais, está desequilibrado sem condições de estar trabalhando dentro da corrente, e por pura teimosia ou mesmo para não se sentir depreciado pelos demais ou deixado para trás insiste em estar na ativa dentro da corrente.  Acreditem há muito ego com alguns médiuns.
Devido a sua queda energética, falta de uma boa concentração, e até mesmo por sentimentos não condizentes, acabam por provocar um estado de extremíssimo animismo, ele se sente o guia, mas o guia não conseguiu realizar o acoplamento devido a tanto carrego com este médium, e é ai que ocorrem alguns problemas. Não existe meio termo nesse caso, médiuns nesse estágio conseguem representar até um certo ponto, os guias chefes percebem de imediato o problema, e podem ou corrigir de imediato ou apenas deixar que o próprio médium se perca no decorrer de sua representação. Vamos elucidar esse ponto de uma forma mas clara.
Observem o caso a seguir: Roberta é uma médium que está passando por um momento difícil em sua vida particular, e está trazendo esses problemas para sua vida espiritual e sua atuação dentro do terreiro, desequilibrada mentalmente, fisicamente e espiritualmente, não está tendo uma boa desenvoltura quanto as suas atividades mediúnicas, está chegando nervosa, com raiva, com maus pensamentos, que estão indo contra os valores espirituais que deveria realmente ter dentro de sua egregora, na realidade não está conseguindo separar uma coisa da outra, seus guias não estão conseguindo se sintonizar e mesmo com orientações, conselhos e advertências, não está assimilando as correções. Roberta começa a princípio ter um excesso de animismo o qual é corrigido por seu dirigente, mas com o tempo esse excesso passa a dar sinais de um problema bem maior, o de uma mistificação consciente.
Roberta supostamente incorporada começa a imitar posturas, estereótipos de outros guias, supostamente incorporada começa a tomar atitudes não condizentes com a postura que um verdadeiro guia e entidade espiritual tomaria, invasiva começa a mexer com outros guias que estão trabalhando. Se dando direitos e poderes que mesmo seus próprios guias não fariam tais atitudes.
Esses tipos de posturas dentro de uma casa espiritual se torna um grande problema porque os guias que estão sendo imitados percebem, e se o médium não está incorporado de fato, ele começa a dar verdadeiras mancadas e foras, totalmente perceptíveis, seus próprios guias acabam por colaborar para que esse médium passe literalmente vergonha, para aprender uma dura lição.
Infelizmente alguns médiuns só se corrigem assim. É tipo um choque de conscientização.
Os guias chefes após darem ns. orientações a esse médium e não serem ouvidos, começam a deixar correr solto, a deixar a corda solta, até que esse médium cometa uma falha tão grande que não terá condições de fingir mais. Onde será repreendido severamente, ai nesse caso a corda é puxada e o freio é dado.
Podem ter certeza certas lições são duras de serem aprendidas, mas são necessárias.
O que precisamos frisar é que um guia ou entidade espiritual quando incorporado se ele não é um espírito mistificador ele tem sua roupagem própria, seu estereótipo e característica, não precisando ficar copiando os demais, nem tem o porque disso acontecer. Mas para o médium que está fazendo tais atitudes, acredita piamente que ninguém está notando suas gafes.
Temos visto médiuns que imitam pontos riscados de outros, trejeitos etc.
Muitas vezes o médium está passando apenas por um mal momento, precisa refletir sobre suas condutas, posturas e pensamentos. Um guia de luz não irá se sintonizar num médium que só pensa maldades, e em fazer coisas erradas, ele tentará reconduzir esse médium a luz, mas respeitará seu livre arbítrio e caso não consiga, irá com certeza se afastar do mesmo, até que com duras penas reconheça seus erros e se redima.
Um médium nesse estágio especifico ele deverá ser orientado, advertido e doutrinado, e terá por obrigação se equilibrar caso contrário deverá ser afastado da corrente para tratamento espiritual até que tenha retomado seu equilíbrio.

A MISTIFICAÇÃO ANTES DE SER NÍTIDA PARA OS OUTROS PRESENTES JÁ SE FAZ NÍTIDA PARA O PRÓPRIO MÉDIUM, isso é um fato. O Médium quando perceber que está vacilando, errando, deve se centrar, colocar a cabecinha no lugar, ter humildade e se redimir perante seus guais e mentores e pedir PERDÃO. Porque caso ele insista no erro, irá estar criando uma bola de neve que toma um tamanho escomunal destruindo tudo por onde passa, o médium é essa bola de neve, que quando chegar no limite, irá se romper diante de um obstáculo maior em força que ele. Esse obstáculo é a Ordem Espiritual Suprema que irá por um basta em suas atitudes, e esse médium angariara para si apenas mais dívidas e débitos a serem pagos. A mediunidade é uma dádiva no cumprimento da caridade, não podemos esquecer que envolve nisso VERDADE.

Mas nem todos casos são temporões, há casos realmente complexos, e vou colocar algumas situações que tem ocorrido e que está sendo muito comum ultimamente:
Médiuns que compram livros dos 3000 pontos riscados, olham e decoram um determinado ponto,  e quando chega no terreiro, lá está ele supostamente incorporado riscando o ponto. Outros pesquisam é na internet mesmo. Só frisando que um ponto riscado não é apenas um desenho de flechinhas, arquinhos, corações, e estrelinhas, ali consiste em portais sendo abertos e fechados, é uma assinatura, uma mandala energética de canalização, centralização, magnetização, expansão. Um ponto riscado errado pode sim provocar graves desequilíbrios. Um ponto riscado é uma invocação de forças espirituais, um símbolo errado num ponto riscado, é como tirar uma peça extremamente necessária em uma máquina e querer que a mesma funcione.
A ânsia de saber a história da entidade ou guia, muitas vezes vemos uma história X, mas o médium acha que aquela história é para todos os espíritos que respondem a uma determinada falange e não é, cada espírito tem sua história própria. Quer saber a história do seu guia e entidade, deixe que com o tempo, caso seja merecedor o mesmo irá contar.
Nomes de guias e entidades famosas e conhecidas, ultimamente está uma chuva de Marias Padilha e Tranca Ruas, e deixo uma questão interessante onde foram parar os antigos espíritos que trabalham na Umbanda? Tenho uma tese para isso, os médiuns não estão encontrando sobre eles na internet e nem em livros e por isso desconhecem sua existência, e como vão imitar?  E ai pergunto, está correto isso?  Alguns nomes: Caboclo Aracanha, Cabocla Jaçana, Exú Trinca Ferro, Exú Quebra Osso etc. Não vou dar outros nomes senão já viu né rsrsrs. Será que está havendo realmente uma incorporação de fato, ou estão usando o nome de entidades e guias famosos por pura vaidade e prepotência. Só lembrando que numa incorporação de fato um guia vem e sabe perfeitamente quem ele é. Pensemos.
Excessos de fantasias: estamos vendo terreiros que estão parecendo escolas de samba, ou contos da cinderela e rapunzel. Que graça tem né, ter um guia excelente que teve uma vida comum, que não foi rei e nem princesa não é mesmo? pensemos.
Médiuns fantasiosos, já apareceu de tudo por ai, médiuns que pulam como sapos, outros se arrastando como cobras, outro que incorporou o cavalo de Ogum, outros que se jogavam no chão achando que eram peixes, meu Deus está complicado. Animismo ou Mistificação? deixo para vocês refletirem e tirarem sua próprias conclusões.
Observem com seriedade essas questões, essas manipulações quando feitas conscientes, feitas de propósito, podem ser sim, classificados COMO UMA MISTIFICAÇÃO. Porque o médium tem pleno discernimento de seus atos.
Antigamente não havia pressa, o médium tinha a seu favor, todo um tempo de aprimoramento, de estruturação, de evangelização e doutrinação. Os médiuns eram ensinados para serem conscientes de seus atos, era trabalhado suas vaidades, egos, e fantasias, os médiuns eram trabalhados para despertarem suas qualidades e dons de uma forma séria e responsável. Hoje estão alimentando o ego, a fantasia, a mistificação, e quem tem a roupa mais armada, mais brilhante ou a coroinha mais cheia de cristais.
Tem médium que se acha tão ultra sumo que ele se sente o canalizador das forças excelsas da luz, ele não dá passe, ele apenas reflete a luz do universo. Humildade, passou longe.  Médium mesmo de colocar a mão na massa, trabalhar com dignidade, nobreza, mantendo seus preceitos, indo para o terreiro de coração aberto, com propósitos dignos de ser o instrumento dos mensageiros, sem pressa, com doação no atendimento, ah isso ninguém quer, ficar ali incorporado uma ou duas horas no atendimento aos consulentes, nem pensar. A desculpa é que ele está acima dos meros mortais. Talvez seja melhor assim, ser apenas um poste, do que fazer um atendimento mal feito e falar bobagens para as pessoas.
Infelizmente pessoal muitos médiuns estão indo para dentro de uma corrente espiritual achando que está indo para um teatro, um baile a fantasia. Espiritualidade não é isso, é coisa séria.
Não importa se o guia ou entidade não tenha um nome conhecido ou famoso, o que importa é que ali tenha um guia idôneo, verdadeiro, comprometido com as questões da luz e da espiritualidade. Que adianta você passar por um guia com nomes pomposos e esse guia não transmitir nada de útil e coerente. Que adianta o médium estar com uma roupa linda, um belíssimo penacho, se você olha na figura na sua frente, não tem manifestação espiritual nenhuma.
É preciso ter valores espirituais e mediúnicos, humildade, seriedade, honestidade. Que adianta mentir estar incorporado, isso é uma vergonha, ficar ali fingindo, chegando o cúmulo do absurdo de ficar sem saber o que fazer, ficar olhando para o lado e copiando o outro do lado, ou se sentir o Tocha Humana e ir querer manipular fogo e botar fogo em si mesmo. Por favor né, vamos ter mais respeito pelos nossos guias e ancestrais, colocar a cabecinha no lugar e levarmos nossa fé com mais respeito e dignidade.
E sabem qual é a maior das causas A VAIDADE, o querer APARECER, O QUE NÃO SE É.
Fora os mistificadores que usam da roupagem das entidades e guias para manipular inocentes e angariar dinheiro fácil, esses então a cobrança será inevitável, será triste. Porque a quem muito foi dado a muito será cobrado.
E temos as mistificações oriundas de espíritos embusteiros, mistificadores, enganadores e nefastos.  Esses são terríveis, precisam de pulso forte, doutrina, encaminhamento e evangelização, estão cegos dentro de suas arrogâncias e trevas, inconscientemente clamam por ajuda. Mas quando não descobertos podem sim serem alimentados e colocados em crédito, podendo prejudicar várias vidas que se envolverem em suas falácias e artimanhas vis.
E não se enganem um quiumba por exemplo quando acham um médium ou mesmo um terreiro que podem fazer de instrumento, fazem dele solo fértil, vão como ratos roendo os cantos do alicerce de qualquer casa, trazendo danos terríveis. Para se chegar a eles não é fácil como se pensa, eles tem vários espíritos que agem como verdadeiros testas de ferro, somente guias e mentores, e uma boa ordem de executores e guardiões da lei podem aprisioná-los.  Eles são os piores espíritos mistificadores, porque usam de nomes de entidades idôneas, fazem acontecer, realizam desejos das mais sórdidas montas, mas não se enganem são assim prestimosos enquanto tiverem o que querem, assim que percebem que seus fantoches não mais os alimenta, se viram como uma cobra mordendo a mão de quem os alimenta.
Uma árvore pestilenta nunca irá dar bons frutos, se o médium não teve berço, não terá estrutura. A muitas casas que alimentam mistificações porque querem número e não qualidade. O médium sério deve ter consciência disso e procurar amparo caso esteja em uma casa assim.
Um médium invigilante, vaidoso, relapso, pode ser uma vitima fácil caso abra canalização propícia a eles. Muitas vezes o médium passa por situações sendo vitima de tais espíritos com a permissão de seus guias que permitem que tais ataques aconteçam para ensinar a seus médiuns sobre coerência, postura, humildade, disciplina, seriedade e caridade. Médiuns vaidosos, egocêntricos são bem propícios a tais lições.
Pessoal o tema mistificação é muito abrangente, e mesmo o melhor médium em um momento de fragilidade, de deslize pode vacilar e ser vitima dessa doença espiritual.
Vivemos em um mundo difícil, cheio de tentações, tribulações, um médium pode vacilar quanto a seus cuidados e vigilâncias, e deve ter a honestidade de se redimir perante o erro, procurar se evangelizar, se corrigir para que dessa forma, fortaleça seu elo para com seus guias e mentores, ganhando o amparo e força tão necessários nesses momentos.
Não estamos aqui para julgar, mas sim orientar, não é porque um médium cometeu um deslize que irá estar condenado, não é assim. Os médiuns podem sim fracassar, mas podem recomeçar.
Espero que essas reflexões possam trazer esclarecimentos e reflexões sobre esse assunto tão importante dentro de nossos terreiros.

Cristina Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário