Páginas

Chat


Get your own Chat Box! Go Large!
Tenham bom senso e responsabilidade com o que está sendo dito, com bom uso e principalmente, tendo em mente que TODOS deverão ser respeitados em suas diferenças, inclusive de opinião. Assim, nenhum usuário precisará ser bloqueado. O conteúdo da conversa, deve ser relacionado aos temas do blog.
É proibido o uso de nicks com nomes de Entidades, Cargos do Tipo Pai, Mãe, Ogan etc. ou Orixás, ou nicks considerados como insultuosos ou ofensivos.
É proibido insultar ou ofender qualquer utilizador deste chat. Respeite para ser respeitado.
Não informe dados pessoais na sala de chat, tais como E-mail,
Nº de telefone.
Esse tipo de informação deve ser em conversa privada com o membro, pois o Blog não se responsabiliza por quaisquer dano e/ou prejuízo.
Ao menos uma vez por semana, estarei presente e online para quem quiser conversar, compartilhar algo e/ou trocar idéias.

sexta-feira, 4 de março de 2016

Como um espírito acaba por se tornar meu guia?


Esse artigo tem o objetivo de tentar expandir um pouco o conhecimento a respeito do que é um mentor espiritual e um guia de trabalho. Foi-me pedido no Facebook para falar melhor sobre os mentores, como eles se conectam conosco, seus motivos, suas funções e influências. Então, vou tentar explorar um pouco o tema. Antes de mais nada deixo aqui só um lembrete, é possível que as informações que aqui irei passar esbarrem em algumas crenças pessoais e outras vertentes filosóficas podem explicar de forma diferente. A minha recomendação é: Se servir para você, pegue isso. Se não servir, jogue fora. Mas acima de tudo respeite os diferentes pontos de vista.

Os mentores são – basicamente – espíritos mais evoluídos que nós, que tem por função direcionar e amparar nossa evolução enquanto encarnados nesse plano. Um mentor é definido para todo ser humano que vier a encarnar, seja em que orbe for. Esse espírito irá se ligar a você através dos laços da ancestralidade e/ou familiaridade. Um espírito familiar nem sempre é aquele que pertenceu a sua família, mas um espírito que teve existências pretéritas com você: um amigo, um professor, um tutor, um vizinho, etc. Além disso, podem ser também espíritos que se afinizam com suas ideias, vibrações e aspirações.

A função do mentor é muitas vezes confundida com a do guia-chefe, do anjo-da-guarda, entre outros nomes que se podem dar. O mentor raramente irá se manifestar mediunicamente. Quando ele tem que de alguma forma sensibilizar seu “afilhado”, ele irá inspirá-lo, irá intuí-lo, agirá no seu íntimo, e por vezes transmitirá mensagens através do sonho. É possível que ele incorpore ou mande uma psicografia? Sim, é possível, mas é raríssimo.

Falando assim parece que ele não está presente em nossas vidas, mas isso é apenas ilusão. Ele é presente o tempo todo e sua responsabilidade é imensa. Você sofre suas influências o tempo todo, é fácil perceber quando a gente tem aquela intuição de não ir por determinada rua e depois ficar sabendo que lá ocorreu um acidente.

A confusão feita com os guias que se manifestam, por vezes, acaba até atrapalhando o médium neófito. Veja bem, o mentor pode incorporar, mas raramente fará isso. Sua função é para com você e sua evolução. Já a função do guia-chefe, que também é um espírito ligado pelos laços da ancestralidade e/ou familiaridade, é de conduzir o seu mediunato, ou seja, as manifestações e a vivência mediúnica. Então um médium pode ter um mentor e um guia-chefe distinto, e esse guia-chefe será aquele que dará “passagem” ou permissão para os demais espíritos que compõe a coroa do médium (que são a equipe de espíritos que trabalham com aquele médium) a se manifestar e irá definir as regras do negócio.

Os guias-de-frente são os guias que mais se manifestam nos trabalhos, seu guia-chefe pode ser seu guia-de-frente, porém o guia-de-frente não necessariamente precisa ser seu guia-chefe.

Falando na língua da Umbanda, você pode ter um Caboclo Urubatão sendo seu Mentor, e um Caboclo Ventania sendo seu guia-chefe. Mas geralmente quem dá mais consulta é o Caboclo Flecha-Dourada. Conseguiram captar o que é cada um?

Os motivos desses espíritos trabalharem conosco não são tão claros, mas é de conhecimento que é uma proposta maior e que eles de alguma forma tem uma ligação conosco, seja de ancestralidade, familiaridade, simpatia ou ligação cármica. E essa ligação não precisa necessariamente ter se formado em uma vida encarnada, pode ter se dado no astral.

A função de todo espírito que se manifesta é prestar a caridade, conduzindo a pessoa que está sendo aconselhada a reforma íntima, a melhoria moral, a capacitação mediúnica (se necessário), a aprender que fazer caridade é muito mais que doar a matéria no terreiro, etc.

Agora quanto às influências, basta ouvir para entender. Ser médium (ou cavalo, na gíria de terreiro) é uma grande responsabilidade. É mais do que ir “chacoalhar” o corpo, tremer todo, gritar e grunhir. Isso é uma mediunidade em desequilíbrio. Os espíritos assumem trejeitos conforme seus arquétipos, porém isso não é necessário de fato; é feito mais pela forma como o ser humano necessita ainda de trabalhar o psicológico. E vamos sempre lembrar um espírito de LEI, jamais irá machucar ou judiar da matéria de seu médium.

Nenhum comentário:

Postar um comentário