Páginas

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Oportunismo por trás da Umbanda



Antes, gostaria de deixar algumas coisas aqui categoricamente claras, eu vou denominá-las como um manual de defesa contra CHARLATANISMO, claro que é de acordo com o meu ponto de vista. Segue alguns:

1) Espíritos de Luz não ameaçam, independente de qualquer situação,  a liderança e o respeito se dá através da igualdade e compreensão e não através do medo, isso é fato! A ameaça pode partir de três maneiras:

a) Animismo mediúnico: A forte emoção do médium durante a psicofonia provoca uma exaltação em seu amago e exterioriza através do mentor. Muito comum com a linha de exús;
b) Espírito atrasado (Eguns, Quiumba, etc);
c) Próprio médium. Às vezes não há nada ali, somente um médium achando que está incorporado e utiliza de suas emoções e do medo para atingir um determinado objetivo;

2) Espíritos de Luz não forçam uma situação, muitas vezes eu já vi um médium interessando em outro médium da corrente e forçar a situação de sua entidade fazer um elo de ligação entre ambos, forçando uma certa situação, como por exemplo, um exu falando que trabalha com a pombagira da outra médium e que eles “saem” eventualmente e por isso, pode acontecer também com o cavalo deles. Coisas desse tipo, NÃO EXISTE!

3) Espíritos de luz incorporarem no médium durante uma transa, principalmente pombagiras, isso é MEDÍOCRE.

4) A cobrança dos Trabalhos: Espírito de Luz não cobra, não pede dinheiro, o dom é divino e o que vem de Deus é gratuito para que possamos utilizar em prol de outros irmãos, para aqueles que cobram, fica aqui o meu completo desprezo, se abraçou a causa, faça com amor e dedicação e não utilize como proveito pobre dessa situação. Sou totalmente contra esse negócio de cobrar A MÃO, cobrar A CABEÇA e assim por diante.

5) Ebó, oferenda com matança, não é UMBANDA, isso é no mínimo o vulgo UMBANDOMBLÉ. Na umbanda não existe esse tipo de sacrifício, se isso ocorre, não é umbanda pura, e sim a famosa mistureba que muitas casas de hoje realizam.

6) Mentores não vem aos montes na casa de pessoas que necessitam de ajuda, existe muitos casos de dirigentes ou médiuns que vai em casas de filhos que necessitam  incorporar as 580 linhas da Umbanda. Isso não é Umbanda, isso é circo, no máximo virá uma entidade de firmeza, uma de proteção e um orixá para fechar o trabalho. Esses mesmos não vêem e pedem 50 maços de cigarros ou um engradado de cerveja, isso não são mentores de luz e sim o próprio médium se aproveitando da situação. Raros os casos, se a casa tem firmeza e ocorre uma reuniãozinha familiar, sem problemas, agora o médium ir sozinho realizar trabalho na casa de filhos! Não!

7) Nunca presenciei em toda a minha vida médium totalmente inconsciente, não existe o APAGAR, isso ainda é vício, isso ainda é cartilha de pai de santo antigo para não perder a credibilidade para com seus filhos.

8) Não existe espírito falar que só trabalha com certo tipo de charuto ou bebida, alguns podem até brincar com a situação, mas negar o trabalho porque não tem os seus “apetrechos”, não é o ESPÍRITO e sim o MÉDIUM.

9) Espíritos que agridem alguns médiuns, que utilizam chicotes, que dão tapas fortes em diversos lugares, testam o filho com o caldeirão de dendê fervendo, com pólvora, não são espíritos, e se o são, não estão em um nível adequado de evolução, seres de luz não necessitam machucar a carne para testar seus filhos, isso não é espírito e sim o médium.  Se o guia do médium se submete a isso, é a cabeça dele e não o seu guia, seres de luz não necessitam provar nada a ninguém.

Claro que virá aquele papinho de médium firme, não sentirá a dor, até pode ser, mas de qualquer forma vai agredir a sua matéria, se nossa matéria fosse suscetível aos poderes do mentor que incorpora, teríamos levitação, teríamos médiuns dançando na fogueira sem se queimar, o médium não sentir dor é uma coisa, agora a matéria não sofrer com isso, ou seja, a pessoa incorporada desafia as leis da física, é BALELA!

Eu não sou o dono da verdade, mas isso é um relato de toda a experiência que eu tive. Todos os meus estudos, pesquisas, observações e isso é para evitar que outros irmãos caiam em falácia de médiuns ou dirigentes que se dizem mensageiros de Aruanda e propagam erroneamente os mandamentos da religião.

Isso é para evitar oportunistas que dependem da Umbanda para viver, o que não difere em nada de dirigentes evangélicos que se aproveitam da fé, da ignorância e da vulnerabilidade dos fieis para obterem ganhos financeiros. Esse tipo de dirigente é tão medíocre quanto eles.

Eu estou evitando utilizar a palavra sacerdote e substituindo por dirigente porque pessoas assim não merecem tal denominação.

Caros leitores, todos nós passamos por momentos de fraqueza, aflição, desespero, angustia, vulnerabilidade, carência, esses são sentimentos que nos impedem de enxergar a razão, ficamos cegos, sem raciocínio é onde esse povo se aproveita.

A grande massa de e-mails que eu recebo é devido a relatos de certos trabalhos dubitáveis e incoerentes dos quais também presenciei em minha andança. Dirigente de terreiro se tornou o pastor da Igreja, muitos ainda são honestos, propagam com amor as palavras do Evangelho, mas muitos não merecem nem o titulo de dirigente por disseminarem de forma tão erradicada conceitos do Amor Universal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário