Páginas

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Como Devemos Encarar a Ingratidão na Umbanda?

Uma das primeiras lições que aprendi na Umbanda foi a de que não devemos cobrar a gratidão das pessoas que buscam ajuda nos terreiros.

Mas por quê? Se a ingratidão é algo tão reprovável?

Dói auxiliar alguém e nem receber um obrigado. Há aqueles que só vão à gira em busca de seus interesses pessoais e quando alcançam seus objetivos nunca mais aparecem.

Mesmo entre nós médiuns existem esse comportamento. Só sabemos pedir e nunca estamos satisfeitos. Sempre queremos mais. Mas quando a Umbanda precisa de nossos préstimos, temos sempre uma desculpa na ponta da língua.

Pois bem, se a ingratidão nos faz tanto mal, não seria justo reprovar essas pessoas?

A resposta é NÃO.

Pois já recebemos o pagamento antes mesmo de realizarmos os trabalhos nos terreiros. Não temos o que cobrar, já fomos pagos.

É isso mesmo. Já fomos pagos. Diferente dos homens, DEUS paga sempre adiantado.

Vejamos:

Ele nos deu a vida.

Nos deu a inteligência para que pudéssemos discernir o certo do errado.

Nos deu a visão para que pudéssemos contemplar esse planeta maravilhoso.

Nos deu a audição para que pudéssemos ouvir o canto dos pássaros, o som do mar, dos ventos, da chuva.

Nos deu as mãos e os braços para que pudéssemos trabalhar.

Nos deu os pés e as pernas para que pudéssemos caminhar.

Nos deu o alimento para matar nossa fome.

Nos deu água para matar nossa sede.

Nos deu o ar para que pudéssemos respirar.

Enfim, nos deu todos os recursos para que pudéssemos viver.

Deu tudo isso e muito mais. E continua nos dando ao longo de nossa existência.

E quanto nós pagamos por isso?

A resposta é NADA.

Por isso já recebemos nosso pagamento adiantado. Não há o que discutir.

A Umbanda é uma das vias mais perfeitas para que possamos retribuir essa dádiva.

Quando trabalhamos no terreiro praticando a caridade, estamos apenas retribuindo aquilo que recebemos. Por isso não podemos cobrar nada de quem nos procura. Nem cobrar em dinheiro nem cobrar um “muito obrigado”.

Quem se propõe a fazer a caridade não deve esperar pela gratidão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário