Páginas

domingo, 29 de março de 2015

Como Desenvolver sua Sensibilidade

1222
Atendendo a muitos pedidos, resolvi escrever sobre como você pode desenvolver sua Sensibilidade, Mediunidade, Paranormalidade, Percepção Extra-Sensorial (PES), ou qualquer outro nome que você queira dar a esse fenômeno. Mas antes de mais nada, quero deixar bem claro que você faça uso responsável dessas informações. Se por acaso você fazer alguma bobagem, pode ter certeza que vou virar a cara pra você caso lhe encontre no Plano Astral.
Quero dizer ainda que nada do que está escrito aqui está vinculado a alguma religião específica. Você pode se orientar neste pequeno guia onde quer que você goste de frequentar, e até mesmo se não gosta e não tenha se encontrado em lugar algum.

Missão ou Não?

Precisamos de início desmistificar uma coisa comum. Não é difícil que as pessoas ouçam que têm Sensibilidade e que por isso têm uma missão espiritual. É preciso pensar um pouco sobre isso. Eu adoro cantar no chuveiro, mas não sinto que meu caminho seja me tornar um cantor. Você pode ter até um grau elevado de Sensibilidade, e alguém reconhecer isso, mas não necessariamente você é obrigado a fazer com que sua vida toda seja em função disso. Para saber o que deve ou não fazer, é bem simples: sinta se isso é importante pra você.
Outra coisa, é que a Luz está presente em todas as coisas e lugares. Você pode usar sua sensibilidade para captar coisas do “além” e utilizá-las nos mais variados setores. Os espíritos de luz estão ansiosos pra poderem trabalhar mais no nosso plano… Só que algum gênio enfiou na cabeça das pessoas que Sensibilidade só pode ligar nos centros espiritualistas e igrejas, e desligar no minuto que põe o pé pra fora. Isso é um contra-senso! Se espíritos trevosos operam por aí a torto e a direito e em todos os lugares, por que não é possível ceder permissão para que o bem influencia nos mais variados setores do mundo? A Luz precisa de permissão pra poder agir no nosso mundo. Enquanto não damos, a coisa vai deixando de acontecer.
Portanto, o uso que você vai fazer da sua Sensibilidade vai ser orientado pelo seu coração, pelo que sente que é importante. Pode ser que você realmente se dedique a trabalhar numa instituição religiosa e abdique de tudo, ou pode ser que você use toda sua Luz nos negócios, ou ainda pela família. Não importa. Deus fez todo mundo diferente e precisa de todo mundo, cada um na sua, fazendo o que lhe cabe sem querer ser melhor ou pior, sendo apenas diferente e especial.

1) Descubra como funciona pra você!

Não adianta virem te dizer as coisas. Nesse caminho da Sensibilidade você vai ter que aprender a largar de mão todo mundo e confiar em si mais do que nunca. Por isso, não basta saber que tem, ou querer ter… É preciso saber quais as condições em que aquilo acontece pra você. Você tem sonhos premonitórios? Ou sente cheiros? Ou será que vê coisas com os olhos bem abertos? Ou ainda será que vê coisas na sua mente? Ou então tem sensações físicas? Sente gostos do nada? Ou ouve? São intuições? E presságios? Causa distúrbios em equipamentos? Ou então sente a energia e os sentimentos dos outros daqui e do lado de lá? Há tantas formas e combinações! Vai ser preciso que você decifre qual delas acontece com maior frequência em você.

2) Decodifique!

Depois de saber como é que a coisa toda acontece com você, vai ser preciso muita atenção, e de novo, a capacidade de aprender consigo mesmo, e confiar no modo como funciona pra você. Bem, o intercâmbio com o Astral tem algumas características que com o tempo vão se repetir pra você, e você precisa deixar de ser preguiçoso e aprender com elas, ou sempre vai andar no seu carro espiritual em marcha lenta. Digamos que você sente algo como claro ou escuro. Pra você o claro é bom, e o escuro é ruim? Ou significa outra coisa? E se você sente um arrepio no braço, é uma confirmação do bem, ou uma presença maligna? O cheiro de flores é morte ou felicidade? Cada tipo de informação você vai ter de prestar atenção para aprender o que diz, e isso é individual.
Há toda uma rede de significados que difere e varia. Então nem tente meter a colher na dos outros. Uma dica útil aqui, caso você tenha pouca memória, é fazer um diário de impressões do astral. Escreva quando algo forte acontecer, e depois aguarde. Quase sempre quando as coisas acontecem você sente no mesmo minuto que tinha a ver com o que tinha captado e como captou. Imagine que está criando um dicionário do modo como você enxerga e sente as coisas.

3) Aprenda a se proteger!

Ou ainda: “orando e vigiando #FOREVER!”.
Antes de qualquer tipo de contato você precisa saber que é preciso aprender a se proteger. Aí vai entrar um pouco da sua religião (a função da religião é te ligar à Luz, ao espiritual, ou pelo menos deveria ser). Use sempre o sentir como guia! O que você sente que lhe parece melhor para se proteger: uma oração? Uma imagem? Uma visualização? Você vai ter que encontrar por si mesmo um modo de canalizar a força de proteção da Luz para te envolver. Antes de aprender a ligar pro lado de lá, é preciso ter uma ligação sem “boi na linha”. É preferível passar um tempão sentindo e conhecendo essa energia de proteção, treinando, do que ir logo acessando. É como entrar na internet e encher seu computador de vírus. Se você não ter que ficar bichado energeticamente, vá deixar de ser preguiçoso e aprender. Caso você não faça a menor ideia, peça em oração e alguma coisa vai chegar a você. Mas não é pedir e esquecer: é pedir com firmeza, e manter a intenção até que a coisa chegue. Alguém vai dar um livro, ou você verá algo na televisão, ou internet.

4) Escolha um dia e local para a prática!

De início é interessante que você escolhe um dia e local para praticar. Caso você deseje ingressar em alguma doutrina ou religião isso já é meio caminho andado. Porém, mesmo assim, pode ser que sinta a necessidade de um aprofundamento. Nesse ponto é importante, de novo, sentir um local que te faça sentir confortável, sem muito barulho, nem interrupções, nem muito estímulo luminoso. Faça também um horário. Lembre-se das orações e da proteção. Há dias em que não captamos nada, e não tem problema nenhum isso. Noutros captamos.
De qualquer modo, isso é importante porque o seu compromisso interior com o tempo facilita a visita do Astral Superior. Além disso, quanto mais você firmar-se no bem, mais luz ficará naquele lugar. Se você consagrá-lo (convidar que o bem o utilize em nome de Deus) então, melhor ainda. É como se você criasse um cantinho, um refúgio, que estará ali sempre que precisar. Quem nunca ficou nervoso e precisou fazer uma oração para si ou mentalizar por outro? Ter seu cantinho é útil – sempre, e importante. Não precisa de nada luxuoso (a não ser que você seja rico e quiser, depois me convide pra conhecer, rs.) – o que você quiser colocar nele, sempre sinta o que precisar.

5) Aprendendo a separar o que é seu e o que não é!

Vamos falar da prática. Uma das coisas mais difíceis e que pode tomar boa parte dos seus anos, vai ser aprender o que está captando do que pode não estar captando. Vou dar um exemplo. De repente eu estou concentrado em você e vejo um espelho. Ponto. Pode ser que eu fique viajando que é um reflexo, que isso e que aquilo. O que é, simplesmente é. Não invente. A imagem de um espelho pode ter a ver com um objeto de família, ou com uma coisa que só a pessoa vai entender. Por isso também não fique se infernizando e duvidando se a coisa parecer absurda!
Quando captamos uma informação, que às vezes não vêm no nosso dicionário, nossa mente logo fica tentada a interpretar aquilo. Quando lidamos com o mundo da comunicação com desencarnados, principalmente, precisamos manter a pureza da coisa. O que vem, daquilo que eu acho. Se vejo joias, eu vi joias. Se eu ouço lamento, é um lamento. Mantenha simples o máximo possível, e com o tempo você vai conseguir traçar relações seguras.
Outra coisa é que o que é nosso já está ali. Nossa cabeça é muito factual. A prática faz você perceber que a informação ela simplesmente se apresenta. Você não a imagina, não a inventa… É como se ela te atingisse vinda do nada. O que é importante é que você cuide justamente seu comportamento fora dos seus momentos de concentração. Quem te garante que você não anda captando e incorporando o jeito de pensar de pessoas bem vivas: pai, mãe, esposo, esposa, filhos, amigos, colegas, desafetos, etc.? Lembre-se: tudo que vem do nada, veio de algum lugar, e não veio de você. Aprenda a se proteger e a mandar embora, com autoridade!

6) Concentrando e focalizando!

Um exercício que eu acho que é legal é simplesmente se concentrar. Depois que você fez sua oração e se protegeu, e está quietinho, tente sempre liberar a mente. Peça que em nome de Deus a Luz possa trazer até você alguma informação, impressão, intuição… Não esqueça que cada um funciona de um jeito! Deixe aparecer. Como eu falei, há vezes que por N motivos nada acontece. Porém, quando acontece é inconfundível. Dê passagem a cada pequeno bit de informação. Quando algo ou alguém quer se manifestar e você fica ansioso e não fala, é como não conseguir engolir a comida. Você só pode comer mais depois de engolir. Pode ser que de início você não entenda nada, mas sua cabeça já quer tudo pronto né! Libere cada pedaço de informação conforme aquilo inicia: “Bem… Estou vendo uma luz… Sinto uma energia de paz… Agora alguém me mostra um relógio… Sinto um cheiro de jasmim… Vejo um jardim… Há algo sobre este jardim… Parece que essa pessoa gostava deste lugar.” Neste exemplo, se você fica preso à ideia da luz querendo saber o que é, o resto nunca vem.
Focalizar é outro exercício mais avançado. Nele você focaliza sua atenção em algo ou alguém, e se concentra, e começa a falar ou anotar tudo que capta a respeito daquilo. Por menor que seja, digamos um tremor leve nas pernas, ou um dolorido repentino na mão, ou uma palpitação, ou tristeza, etc. Depois você pode investigar e confirmar (e se não confirmar, aprenda a não se criticar, você está aprendendo).

7) Confiando no seu taco!

Tudo o que você sente, você precisa estar ciente do modo como aconteceu. Se você fez tudo com entrega, e mesmo assim a mensagem ou a informação não fez o menor sentido, não vá se colocar pra baixo. Aprenda a ser humilde, a não dar bola… Aliás, tudo  isso é um vasto aprendizado. E há muitos mistérios! Há coisas que só se confirmam meses e até anos mais tarde. Outras, que apenas depois de entregue e digerida a informação, que fará sentido pra pessoa. Há casos em que você tem toda certeza, mas é negado, e você tem de respeitar quando o outro não aceita ou não quer.
O que você precisa fazer também é confiar na sua Sensibilidade. Se você sonha, acredite no que sonha, dê importância. Coloque pra si mesmo: “eu tenho sonhos que me dizem coisas, presto atenção neles, e é isso!”. Se você sente, sempre que sentir algo, dê crédito. Caso não faça isso, sempre as coisas passarão por você… Há coisas boas e coisas ruins, infelizmente, então não dá pra acreditar e desacreditar conforme a conveniência. Assuma, ou nada vai ter firmeza para crescer.

8) Fazendo uso da captação!

Como eu falei, onde e como vai desenvolver sua Sensibilidade tem a ver com o que você sente que precisa. Mas se você tem o dom, e está desenvolvendo, coloque sempre a intenção de usá-lo para que a Luz traga desenvolvimento ao mundo e às pessoas que vivem nele, e a você mesmo. Ao sentir coisas, dê um destino a elas, ou as guarde, mas trate com carinho e consideração. Se você está no ramo dos negócios, ou está se relacionando, não varra seu feeling pra baixo do tapete.
Às vezes também recebemos orientações para nós mesmos ou para repassar a outra pessoa. Quando as receber vá fazer no momento que puder. A pior coisa é receber um conselho e você sente que precisa pôr em prática, mas ficar adiando. Faça assim que possível. Há dicas que não entendemos mas que ajudam. Uma vez um espírito pediu que a ex-mulher fosse levar velas no cemitério para ele. Bom, ele não estava lá, mas eu não questionei, apenas repassei. Ela fez isso, e ele conseguiu se desprender (e as batidas e o vandalismo na casa pararam).
9) Esteja aberto a estudar!
Pode ser que você faça sua caminhada sozinho, ou em grupo, ou em instituições. De qualquer modo, esteja aberto a aprender coisas novas. Há assuntos que vão começar a te perseguir em certas épocas, e você deve prestar atenção neles e estudá-los. Sempre lembre de sentir o que te parece bom e o que faz sentido. Eu comecei estudando o Espiritismo e depois outras várias coisas. Um dos últimos assuntos que peguei pra estudar no ano passado foi materializações com intuito de cura espiritual. Fora as questões de energia, lei da atração… Disponha-se a aprender e os guias do Astral farão valer seus títulos de “guias” e te guiarão, levando você pelos caminhos do saber mais adequados. Esse é um dos motivos que não gosto de dizer o que é legal ou não, obras e etc. Cada um que está nesse caminho precisa aprender a caminhar, orientando em primeiro lugar a si mesmo.
Ademais, quando você se dedica, é como se movimentasse as forças para aquilo. A Sensibilidade é uma parte nossa, tanto quanto os braços. Na academia podemos desenvolver nossos músculos e ter braços mais fortes. Ao exercitar e conhecer, você “programa” a si mesmo para que aquilo aumente, se fortaleça e com isso te ofereça melhores condições de uso.

10) Expressando gratidão e carinho!

Você com o tempo terá experiências fortes e belas, e outras que podem não ser tão bacanas. De qualquer modo, sempre agradeça e trate com carinho essa ideia da Sensibilidade. Quanto mais amor puser nessa ideia, no se imaginar desenvolvendo, mais atrairá tudo para ajudar que isso aconteça e fortalecerá a luz nela. Tenha carinho pelas informações. Com o tempo você vai perceber presenças que se repetem, e elas causam a mesma impressão. Lembre-se de “testar” se aquela presença vem da luz – peça mentalmente que ela entre num tubo de pura luz, e revele seus olhos. Através do olhar, você sente e vê se ela vem em nome de Deus; e da disposição de entrar no tubo: bons guias jamais se negam e imediatamente se colocam nele. Isso aprendi com as queridas amigas do Dragon Energy Center de São Paulo. Tenha carinho por tudo, mesmo nos momentos que não puder receber e captar nada – às vezes não podemos ou pelo nosso bem maior não é permitido saber. Sempre encerre seus momentos de concentração agradecendo e peça que você saia deles uma pessoa melhor do que quando chegou.

Bônus: Não se meta onde não é chamado!

Por fim, não me caia na asneira de pensar que é o salvador da pátria. Não fique se oferecendo, e nem achando que tudo você vai resolver. Às vezes não é você, às vezes não é agora, e às vezes não é desse jeito. Quando sentir um alerta, confie nele. Nós, os sensitivos, muitas vezes inexplicavelmente viramos uma rua ou chegamos mais tarde porque “algo’ nos pede. Se você está ligado na proteção, ótimo (a não ser que queira entidades das trevas te mandando pra lá e pra cá). De qualquer jeito, não aceite também o título de Guru, de alguém que vai resolver todos os pepinos… A menos que você queira uma multidão te pedindo o tempo todo o que vão fazer da vida. Orientar é uma coisa, controlar é outra. Não aceite o controle-remoto da vida de  ninguém, e nem a responsabilidade sobre os outros. Mesmo quando for dizer algo, sinta (como sempre) se deve, mesmo que tenha recebido com todas as letras. Delinear limites também faz parte de desenvolver a Sensibilidade porque ela começará a filtrar melhor as coias e as pessoas.
Sempre que você fizer o movimento de juntar pra si o que não deve, vai perder energia e proteção. E lá em cima eles deixam pra que você aprende a cuidar da sua vida, das suas coisas, e não atrapalhar os outros… Se você fica carregando uma criança no colo pra sempre ela nunca vai aprender a caminhar.

Conclusão

Sensibilidade não escolhe bons ou maus, ela está no interior do ser humano. Muitos a usaram para criar trevas, e outros para propagar a luz. A meu ver, desejo que aqueles que aqui entrarem usem essas informações para que se tornem pessoas melhores. Não há nada mais chato do que alguém que se dispõe a trabalhar com a luz e permanece sempre preso e fechado em idiotices mesmo quando vários alertas chegam. Lembre que você também nunca está sozinho. Quanto mais você operar na Luz, mais energia circulará ao seu redor. Como dizia São Francisco de Assis na oração, proponha-se a ser um instrumento da Paz, mas nunca esqueça de resolver sua vida nesse mundo. Você está aqui pra aprender a se conhecer, e a evoluir. E também não esqueça de sempre “sentir”.
Que a Luz esteja com você!

2 comentários:

  1. já cumpri minha missão na terra o que eu faço agora?

    ResponderExcluir
  2. Meus sinceros agradecimentos a Fraternidade Monsenhor Horta que se faz presente até aqui na internet com palavras de Luz e Sabedoria. Vocês com certeza fazem a diferença. Valeu!

    ResponderExcluir