Páginas

terça-feira, 2 de setembro de 2014

​Glândula Pineal, a Casa do Espírito e Mediunidade

Centros de força e chakras são a mesma coisa é uma questão de nomenclatura. O termo “chakra”, roda, é de origem sânscrita e o termo “centros de força” é uma definição para chakra que passamos a encontrar, principalmente, nas obras do espírito André Luiz. 

Os chakras, localizam-se no perispírito e são acumuladores e distribuidores de energia espiritual. São as entradas e saídas e também são pontos de conexão ou enlace pelos quais fluem as energias de um corpo à outro.

Todos os médiuns ostensivos já possuem seus organismos configurados para a realização desta interação com o plano espiritual. A espiritualidade nos informa, que quanto mais ostensiva for a mediunidade, a glândula pineal é mais desenvolvida. No livro Missionários da Luz, André Luiz observa que no médium em serviço mediúnico essa glândula transforma-se em “núcleo radiante”, e ao seu redor,  seus raios formam um “lótus de pétalas sublimes”.

A relação da Pineal com a espiritualidade

A epífise ou glândula pineal ou simplesmente pineal é uma pequena glândula endócrina localizada perto do centro do cérebro, entre os dois hemisférios, é uma estrutura cinza-avermelhada do tamanho aproximado de uma ervilha.

A espiritualidade nos informa ser a pineal a glândula da vida mental e elo com a espiritualidade. É a região onde transita toda a energia mental absorvida de outros espíritos e também produzida pelo nosso espírito. Portanto, quando a pessoa tem bons pensamentos, transitam energias mentais positivas e quando a pessoa tem pensamentos negativos, transitam energias mentais negativas. Assim, de acordo com o tipo de energia originada pelos pensamentos, os hormônios produzidos pela epífise irão afetar positivamente ou negativamente todo o organismo.

A pineal é ligada ao chakra coronário. É a comandante de todo o sistema endócrino, age como uma espécie de supervisora em relação a outras glândulas. Influi sobre o corpo variando o grau de reação aos raios de luz, isto é, controla a sensibilidade da cor à luz.

A pineal também contribui para o desenvolvimento normal físico e mental das células cerebrais e das células dos órgãos de reprodução. Apesar de um grande número de substâncias neurotransmissoras, como dopamina, octopamina, serotonina e outras poderem ser extraídas da pineal, a única substância abundante e biologicamente ativa secretada por ela é a melatonina.

É importante informar, que o hormônio melatonina é fundamental no processo mediúnico. A produção de melatonina pela epífise aumenta no escuro. E é por essa razão que recomenda-se nas reuniões mediúnicas a diminuição da claridade. Portanto, diminuir a claridade nas reuniões mediúnicas tem base científica, não é nenhuma invenção ou condicionamento.

A interligação entre os chakras do perispírito e os plexos nervosos do corpo físico acontece através de laços fluídicos. Internamente os chakras se interligam por canais fluídicos similares as veias do corpo físico que transportam sangue, e nos corpos sutis, estes canais transportam energias e são denominados pela palavra em sânscrito "nadhis."

Quando nossa reencarnação é planejada no plano espiritual, nossos chakras são preparados com a velocidade compatível com a mediunidade que vamos ter.



O aceleramento vibratório também pode se dar durante a encarnação, com a entrada de mais energia espiritual através do chakra coronário. O aceleramento dos chakras  deve se dar de forma natural e progressiva à medida que o homem promover o seu próprio crescimento espiritual.  

A mediunidade é uma faculdade da percepção sensorial. Como qualquer faculdade deste tipo, para ser exercida, a mediunidade necessita de um órgão que capte e o outro que interprete. A glândula pineal é um órgão sensorial da mediunidade, como um telefone celular, que capta as ondas do aspecto eletromagnético, que vem da dimensão espiritual.

A glândula pineal se calcifica depois dos 10 anos de idade, porém, nos cristais  formados há uma micro circulação sanguínea que os mantém metabolicamente ativos e vivos. Quanto mais cristais uma pessoa tem, mais possibilidades terá de captar as ondas eletromagnéticas. Os médiuns ostensivos têm mais cristais.

Os sintomas da mediunidade variam dependendo do tipo da mediunidade. Nos fenômenos da psicofonia, da psicografia, na incorporação da Umbanda, pode haver o aumento do fluxo renal, a circulação periférica diminuída com pés e mãos geladas e suadas. Nos fenômenos psíquicos, em que a alma do encarnado se afasta do corpo, como em estado de desdobramento, os sintomas são outros: podemos ter distúrbios de sono como o sonâmbulismo, terror noturno, ranger de dentes, angústia, fobia.

Etapas no desenvolvimento da incorporação:

1 - Domínio das faculdades sensoriais
2 - Domínio das faculdades motoras
3 - Domínio das faculdades psíquicas

 1 - As primeiras manifestações são sensoriais, isto é, o médium começa sentindo “algo de estranho”, mãos geladas, braços e pernas dormentes, frio ou arrepios na espinha, na cabeça, na boca do estômago, etc. É  a atuação das Entidades sobre os plexos nervosos, como primeiro sinal de sua aproximação.

2 - Em seguida, as Entidades passam a dominar as “faculdades motoras” e o médium sente impossibilidade de desfazer certos gestos e atitudes que ele tomou SEM SABER PORQUE, mas que não “tem forças” para impedir. Quando um Caboclo prende o braço esquerdo do médium nas suas costas, imóvel, horas e horas, ou quando um Preto Velho verga as pernas do médium, este não sabe porque, mas obedece, embora esteja “consciente” de que está fazendo aquele gesto ou tomando aquela atitude.
São as suas faculdades motoras que, secundando as manifestações sensoriais estão sendo “tomadas” CADA VEZ MAIS pela Entidade, à medida que o seu organismo se prepara para a missão mediúnica.

3 - A última faculdade a se entregar ao domínio dos Guias e Protetores é, justamente, o psiquismo do médium, a sua consciência, a sua “guarda” para tudo de estranho que está acontecendo com ele. A dificuldade maior vem em primeiro lugar, do natural e louvável auto-policiamento do médium que, quanto mais bem intencionado estiver, mais receoso ficará de estar sendo tomado por sugestões neuro-anímicas motivadas pelo ambiente dos Terreiros. Quanto mais ele se auto-policia, mais o seu psiquismo interfere, fazendo com que a Entidade que se aproxima só consiga tomar 20% ou 30% da sua vontade. É por isso que todo médium, seja qual for, começa muito anímico, com 10%, 20% ou 30% de incorporação , e consequentemente, com 90%, 80% ou 70% de interferência do seu próprio “eu” nos trabalhos do Guia.



Só com o tempo, um longo tempo, à medida que o médium vai tomando ciência do “sucesso” dos trabalhos do seu Guia, é que as suas resistências psíquicas vão se quebrando e ele começa, então, a progredir na escala de incorporação, com 40% ou 50% do seu psiquismo "fora do ar". De 50% para cima o médium vai se apagando numa espécie de “aturdimento” crescente de acordo com a incorporação conseguida, aumentando gradativamente, o domínio da Entidade sobre o seu psiquismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário