Páginas

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Arrajando tempo para cuidar de si

            Muitas vezes, quando atendo as pessoas no consultório, vejo que estão insatisfeitas com elas mesmas por muitas razões, mas o que mais as incomoda é o fato de não terem tempo de fazer o que gostam.
            Elas chegam nesta questão porque primeiramente refletimos sobre como está sua vida; seu nível de contentamento em vários setores, como saúde, disposição, relacionamento amoroso, amizades, família, etc. Depois, de acordo com o que é refletido, vamos analisar sua história, que geralmente é marcada por muitas situações conflitantes. Por fim, depois de tudo isso nós concluímos que existem muitos resgates para serem feitos.
            Por isso, a terapia também é feita baseada naquilo que falta melhorar. Tipo, de zero a dez, que nota nós podemos dar a nós mesmos, para a nossa vida? Considerando zero como muito insatisfeito e dez como muito satisfeito. Quase todo mundo fica entre seis ou sete. A partir disso, começamos a trabalhar em busca de melhores resultados nesses aspectos avaliados.
            Entretanto, não é tão fácil mudar. Porque temos medo de ser mais do que somos e porque aprendemos a ficar na zona de conforto. Temos medo de nos entregarmos ao desconhecido, de ir um pouquinho além.
            Com isso deixamos de aproveitar a dádiva de fazer aquilo que mais amamos por preconceitos, crenças limitantes e nos fechamos para uma série de oportunidades que hora ou outra surgem.
            Sabemos que as consequências de fazer o que não gostamos, no futuro, serão refletidas no corpo ou numa situação desastrosa, certo? Então, porque não fazer ou transformar o que não gostamos em algo que gostamos?
            Nesse caso, ao chegar neste ponto da questão, elas dizem: “ah, mas eu não tenho tempo para fazer o que eu gosto ou não dá para mudar!”
            E aí eu mostro que nós temos tempo e que existem possibilidades de fazer diferente. Basta parar para avaliar o quanto nós desperdiçamos nosso tempo com coisas desnecessárias. Neste momento sugiro fazer uma agenda minuciosa com todos os afazeres do dia da pessoa, assim como fazem nas empresas, quando não estão obtendo resultado. Ora, se queremos obter resultados daquilo a que nos propomos, precisamos avaliar de que forma estamos destinando tempo para o que queremos.
            É impressionante ver nos rostos das pessoas como existe e sobra tempo para fazer o que gostam. Só precisam planejar, se organizar melhor.
            Organizar o tempo é algo precioso, infalível. Funciona tanto que ajuda a curar até dor de cabeça, estresse e cansaço. Recomendo a você fazer este exercício: uma agenda completa da sua rotina, passo por passo, desde abrir os olhos, desligar o despertador, se espreguiçar, levantar, dizer bom dia para o marido ou para a esposa, ir ao banheiro... Precisa-se colocar todos os detalhes para ver no que estamos gastando nosso tempo e se estamos desperdiçando-o. Depois olhe para todos os afazeres e veja o que é de alta prioridade e o que não é tão importante fazer. É um exercício de desapego bem grande, mas que vale a pena.
            Em seguida, veja o que não é mais para você fazer e procure ensinar alguém que possa realizar essas tarefas. E descubra quanta coisa você faz e que não pode mais fazer. Ensine e se delicie passando atribuições ao outros. Nós encontramos muitas pérolas nessa experiência, além de desafogar nossa agenda. E faça isso com confiança.
            Por fim, se entregue, procurando listar e ocupar o tempo que ganhou com as coisas de que gosta. E faça isso urgentemente, senão logo estará fazendo o que fazia anteriormente ou ocupará os espaços vazios com coisas que não são para você. Não perca mais tempo. Comece hoje mesmo a fazer esse exercício, porque assim você verá grandes transformações ocorrendo em sua vida.



POR: CÁTIA BAZZAN – Terapeuta Holística  – Autora do livro Ame Quem Você é

Nenhum comentário:

Postar um comentário