Páginas

Chat


Get your own Chat Box! Go Large!
Tenham bom senso e responsabilidade com o que está sendo dito, com bom uso e principalmente, tendo em mente que TODOS deverão ser respeitados em suas diferenças, inclusive de opinião. Assim, nenhum usuário precisará ser bloqueado. O conteúdo da conversa, deve ser relacionado aos temas do blog.
É proibido o uso de nicks com nomes de Entidades, Cargos do Tipo Pai, Mãe, Ogan etc. ou Orixás, ou nicks considerados como insultuosos ou ofensivos.
É proibido insultar ou ofender qualquer utilizador deste chat. Respeite para ser respeitado.
Não informe dados pessoais na sala de chat, tais como E-mail,
Nº de telefone.
Esse tipo de informação deve ser em conversa privada com o membro, pois o Blog não se responsabiliza por quaisquer dano e/ou prejuízo.
Ao menos uma vez por semana, estarei presente e online para quem quiser conversar, compartilhar algo e/ou trocar idéias.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Ervas para proteção contra energias negativas

            Não dá para nos livramos de toda a inveja do mundo e nem de toda a inveja que há em nossa própria personalidade. Poucos podem fazer também contra a inveja que o outro tem da gente, afinal, quem sente a inveja é o outro e só ele pode administrar esse sentimento. Porém, podemos melhorar nossa auto-estima, passando a emanar amor, e um sentimento de bem estar, atraindo a admiração e o respeito das pessoas.
            Mas, enquanto não conseguimos realizar toda esta transmutação energética, podemos ir usando as ervas, que a Mãe-Natureza tão generosamente nos oferece, para irmos nos protegendo. É claro, que mais uma vez é importante enfatizar que só isso não é o suficiente e que a verdadeira proteção vem de dentro, a partir do autoconhecimento e da auto estima, porém, podemos utilizar as ervas para irmos elevando nossas vibrações, criando um campo energético de proteção ao nosso redor. Seguem algumas dicas:

ALECRIM: Uma das versões do conto "A bela Adormecida" diz que a Bela Adormecida foi acordada pelo príncipe com um ramo de alecrim. Os gregos usavam coroas de alecrim em festas, como símbolo da imortalidade. Por isso, usa-se o alecrim para afastar olho gordo. É também a erva da juventude eterna, do amor, amizade e alegria de viver.
Se colocada debaixo do travesseiro afasta maus sonhos.
É uma erva que tonifica as pessoas e os ambientes. É considerado também um poderoso estimulante natural, favorecendo as atividades mentais, estudos e trabalho. Favorece e fortifica o ânimo e vitalidade das pessoas. No ambiente, agindo em conjunto com arruda, "segura" as energias de inveja, mau-olhado e fofocas. Pode ser usada no vasinho ou queimada seca na forma de defumação. Pode-se tomar banhos fazendo uma infusão com a erva.

ARRUDA E CÂNFORA: Usadas desde a antiguidade para proteger as pessoas do mau olhado, no século XVI deram origem a uma história curiosa: quando morriam em Londres 7.000 pessoas por semana com a peste, e as casas atingidas eram marcadas com uma cruz vermelha, alguns ladrões não se incomodavam, entravam para roubar e não eram atingidos pela peste. O motivo: um famoso vinagre, dos quais um dos principais componentes era a arruda, num galão de vinagre de vinho junto com a sálvia, losna, menta, alecrim e lavanda, temperadas com alho, cânfora, noz moscada, cravo e canela, constituindo um poderoso antisséptico. Essa mistura ficou conhecida como o vinagre dos quatro ladrões.

ARRUDA: é umas das ervas mais poderosas para combater inveja e olho-gordo. A arruda já era conhecida e usada na antiga Grécia e Roma. Foi popularizada no Brasil pelas escravas na época na colonização. Quando colocada num ambiente, além de proteger, emite vibrações de prosperidade e entusiasmo. Podemos ter sempre um galho de arruda junto ao corpo para reter as energias negativas. Não deve ser ingerida.

CÂNFORA: limpa ambientes carregados. Pode ser usada em pastilhas no potinho com álcool ou na forma de incenso.

PATCHOULY: Desperta a intuição, e forças para defesa contra energia negativa. Pode ser usado em óleo essencial no difusor ou na forma de incenso.

SÁLVIA: Para os romanos era erva sagrada, cuja colheita era cercada de rituais. A crendice popular dá conta de que é uma das ervas das feiticeiras, já que protege contra feitiços. É também usada para compor o vaso das sete ervas de proteção. Ainda segundo a crença popular, toda pessoa deve ter um pé de sálvia plantado em casa, mas nunca pelo próprio dono da casa, é melhor pedir para alguém de fora. Dormir com folhas de sálvia sob o travesseiro torna os sonhos realidade. Pode ser usada no vasinho ou pode-se queimar a erva seca e usar como defumador. Pode-se tomar banhos fazendo uma infusão com a erva.

GUINÉ: em um ambiente tem o poder de criar um "campo de força" de proteção, bloqueando as energias negativas e emitindo vibrações otimistas. Atrai sorte e felicidade. Cria uma energia de bem-estar nos ambientes. Usada no vasinho.

COMIGO-NINGUÉM-PODE: o nome da erva já diz tudo. Afasta e quebra todas as energias negativas dos ambientes. Em uso conjunto com espada de São Jorge quebra feitiços, magia e mau-olhado. Além deste superpoderes é uma planta muito bonita para qualquer ambiente. Para ser usada em vasos maiores. Nunca deve ser ingerida.

ESPADA DE SÃO JORGE: por causa de suas folhas pontudas é facilmente associada ao poder de cortar as energias negativas, a inveja, olho-gordo, magia, etc. Alguns dizem que espanta os maus espíritos. Ao cortar as energias negativas, a erva atrai coragem e prosperidade. Para ser usada em vasos maiores, ou plantada em floreiras na frente da casa.

MANJERICÃO: Além do delicioso sabor que passa como tempero da cozinha italiana, o manjericão, quando exposto num ambiente, tem a propriedade de acalmar e trazer paz de espírito a todos. Ao acalmar as tensões, afastamos os pensamentos negativos e nuvens negras. Usado em vasinhos. Pode-se tomar banhos, fazendo uma infusão da erva.

PIMENTEIRA: esta planta combate as energias pesadas e ariscas. É uma planta de vibração estimulante, afrodisíaca, tonificante e atrai boas energias para o amor. Usa-se em vasinhos.

VASO COM 7 ERVAS: Poderosos amuleto contra inveja. Pode se feito pela própria pessoa ou comprado em lojas esotéricas.  Composto por: arruda, guiné, comigo-ninguém-pode, espada-de-são-jorge, alecrim, manjericão, pimenteira.

SAL GROSSO: retira do ambiente as energias negativas, absorvendo-as. Deve ser renovado sempre, para que não volte a emanar a energia de volta para o ambiente. Pode ser usado em amuletos como vasinhos com sal grosso e pimentinha, velas de sal grosso. Pode ser usado em banhos, diluído em água, jogado no corpo do pescoço para baixo. Após o banho de sal grosso, sempre tomar um banho com alguma erva, para repor as energias, pois o sal descarrega a aura. Pode ser um banho com um chá (coado e morno) feito de alecrim ou sálvia.



POR:  LUCIANA MARTINS é psicóloga, especializada em astrologia e terapias complementares. Trabalha com terapia floral, reiki, reflexologia, aconselhamento astrológico, acupuntura auricular e terapia vibracional.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Original ou rascunho da própria vida?

       “Vivemos num mundo cheio de responsabilidades e compromissos, perdidos num mar de distrações, sem tempo para nada e sempre com coisas pendentes de serem resolvidas.
            Essa dinâmica atual da vida parece nos afastar dos nossos anseios mais profundos. Ficamos envolvidos de tal forma nessas demandas e expectativas que chegamos a esquecer do que realmente nos traz satisfação e plenitude na vida. Seguimos “vivendo no piloto automático”, absorvidos por uma cultura de massa que determina quem devemos ser, ter, fazer e querer. E assim continuamos, dia após dia, apenas reagindo e vivendo em círculos, passando pelos mesmos obstáculos, pelos mesmos problemas sem, contudo, aprender a agir ou reagir de maneira diferente, principalmente com nossas emoções.
Vivemos fazendo o “jogo de esconde-esconde”: fingimos estar bem e outros fingem acreditar. Mas o perigo é que, na maioria das vezes, não nos damos conta de que fingimos para nós mesmos que está tudo bem e nos convencemos a acreditar nisso. Dessa forma, ignoramos completamente nosso poder interior e a força dos nossos pensamentos e sentimentos, subestimamos nossa capacidade de criação e ignoramos nossos anseios. Nesse emaranhado de dúvidas e insatisfações vamos relegando aos nossos sonhos os confins do esquecimento e seguimos, algumas vezes, até acreditando que somos felizes para, no momento seguinte, percebermos que é uma felicidade vã, vazia.
        Todos nós – independente de idade, credo, raça ou classe social – crescemos adotando alguns modelos (na profissão, no amor, nas relações, pais, mães, filhos, etc.). Adotar modelos, a princípio, é uma atitude positiva e necessária que permite o estabelecimento de diretrizes iniciais para a vida. No entanto, ao conquistar determinado grau de autoconhecimento e experiências, espera-se que as pessoas possam construir uma identidade própria, ou seja, que elas possam se distinguir dos modelos que vinham seguindo, criando condições para imprimir sua própria marca.
          Mas o que acontece é que estamos tão envolvidos com a vida frenética do nosso cotidiano, que não nos permitimos ampliar a percepção sobre que de fato somos: únicos e supremos criadores da realidade que experienciamos na vida. Estabelecemos conceitos que seguem a referência do outro e relacionamos o sucesso e a satisfação ao fato de nos tornarmos iguais a fulano ou atingirmos os resultados de beltrano. Vamos nos perdendo e criando uma série de dificuldades para as nossas vidas e isso nos afasta ainda mais de tudo aquilo que somos e temos capacidade de ser, de algo que poderia nos trazer satisfação plena e muita alegria na vida.
        Essa percepção equivocada sobre nossa natureza não permite uma atitude de auto-aceitação e de reconhecimento das nossas próprias habilidades. Passamos a viver oprimidos em nós mesmos e nos tornamos prisioneiros do medo, que na maior parte do tempo nos paralisa. Paralisados pelo medo e cercados por crenças limitantes ficamos dias, meses e anos com receio de assumir quem de fato somos e, consequentemente, encarar os riscos que podem surgir de uma decisão ousada (mudança de emprego, de cidade, de país, de casa, mudança de vida, colocar em jogo uma posição consolidada, dançar, cantar, ter filhos, etc.) que nos permita experimentar a grandeza de realização que habita inerte em nosso interior.
Você é único e é muito mais do que pensa que é!

Então, até quando vai continuar sendo rascunho de sua própria vida?”

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Diferenças entre o Espiritismo e a Umbanda

            Diz-se, com frequência, que Umbanda e Espiritismo são a mesma coisa, com uma ou outra variante. Os que assim pensam não refletiram o suficiente sobre os fundamentos de cada doutrina.
            Uma análise mais acurada nos mostrará que há, entre essas duas correntes espiritualistas, pontos concordantes e discordantes.

VEJAMOS AS OPINIÕES CONCORDANTES:

- A UMBANDA é espiritualista; o ESPIRITISMO também o é.
- A UMBANDA rende culto a Deus; o ESPIRITISMO também.
- Nas práticas de UMBANDA ocorrem fenômenos mediúnicos; no ESPIRITISMO também.
- A UMBANDA aceita a reencarnação; o ESPIRITISMO também.
- Na UMBANDA se faz caridade; no ESPIRITISMO também.

VEJAMOS OS PONTOS DISCORDANTES:

- O ESPIRITISMO NÃO tem culto material; a UMBANDA TEM.
- O ESPIRITISMO NÃO prescreve qualquer forma de paramento nem comporta o formalismo de funções sacerdotais; a UMBANDA TEM "pais" de terreiro com vestimenta e prerrogativas equivalentes ao exercício de funções sacerdotais.
- O ESPIRITISMO NÃO admite uso de imagens; a UMBANDA TEM imagens e altares.
- O ESPIRITISMO NÃO têm sinais cabalísticos nem símbolos; a UMBANDA TEM sinais, "pontos riscados" etc.
- O ESPIRITISMO REGE-SE POR UM CORPO DE DOUTRINA HOMOGÊNEA, CODIFICADA POR ALLAN KARDEC; A UMBANDA NÃO SE REGE PELA DOUTRINA CODIFICADA POR ALLAN KARDEC.


            O professor J. H. Pires, no capítulo VI - O Mediunismo - de seu livro Mediunidade trata a Umbanda como uma forma de mediunismo.
            A sua explicação baseia-se na noção de que mediunismo - definição dada pelo Espírito Emmanuel - designa as formas primitivas de Mediunidade.
            Assim, ele discorre sobre a construção racional da Mediunidade através dos ensinamentos de Allan Kardec. A Umbanda, sendo apenas a prática do fenômeno mediúnico, não consegue abarcar o grau de positivação alcançado pela Doutrina dos Espíritos. Esta é a grande diferença.

SINOPSE COMPARATIVA
ESPIRITISMO
UMBANDA
País de origem
França
Brasil
Data de surgimento
18.04.l857
15.11.1908
Codificador
Allan Kardec
-----------
Fundador
-----------
Zélio F.de Morais
Adereços e caracterizações
Não
Sim
Altar e/ou oratório
Não
Sim
Autonomia das associações
Sim
Sim
Cânticos (pontos) cantados
Não
Sim
Classificação dos espíritos em categorias
Sim
Não
Comidas, bebidas, fumo, etc.
Não
Sim
Cultos exteriores
Não
Sim
Dogmas
               Não
          Sim
Doutrina
Sim
Em formação
Ervas e banhos
Não
Sim
Racional
Emocional Devocional
Jogos premonitórios
               Não
          Sim
Mediunidade
Sim
Sim
Mediunismo e/ou animismo
Sim
Sim
Messiânica
Não
          Não
Método
Sim
Sim
Oferendas materiais
Não
Sim
Revelada
Sim
Não
Literatura básica
As obras (5) de Allan Kardec
---------------
Rituais e cerimoniais
Não
Sim
Roupas especiais e/ou paramentos
Não
Sim
Sacerdotes
Não
Sim
Sacramentos
Não
Sim
Símbolos (pontos) riscados
Não
Sim
Sincretismo
Não
Sim
Sistema organizacional
Federativo
Federativo
Tipificações espirituais
Não
Sim
Tradição oral
Não
Sim
Velas, flores, defumações, etc.
Não
Sim

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS


Crença em Deus único
Sim
Sim
Comunicabilidade recíproca com os espíritos
Sim
Sim
Crença nos elementais
Não
Sim
Evolução progressiva dos espíritos
Sim
Sim
Existência dos espíritos que sobrevivem à morte do corpo
Sim
Sim
Influência dos espíritos sobre as pessoas
Sim
Sim
Lei de causa efeito
Sim
Sim
Pluralidade dos mundos habitados
Sim
Sim
Prática da caridade
Sim
Sim
Reencarnações sucessivas
Sim
Sim

CONTRIBUIÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS UMBANDISTAS

            Tive a oportunidade de ler em seu site o breve artigo abordando a questão da suposta dicotomia entre Umbanda e Espiritismo. Confesso que fiquei bastante feliz por perceber que os irmãos trataram o tema de forma objetiva, clara e respeitosa, sem desferir ataques - ainda que velados - à Umbanda. Cumprimento-os por isso.

            Contudo, gostaria de fazer alguns reparos quanto ao que foi dito:
- primeiramente o artigo afirma que a umbanda não se rege pela doutrina codificada por Allan Kardec. Isso não é inteiramente verdade. Todo o contexto de cunho filosófico abarcado pelo pentateuco é abraçado pelos umbandistas. O que ocorre é que a Umbanda não adota orientações de caráter prático, as quais foram inclusive bem enumeradas no artigo, como o uso de imagens, entre outras.
- Em segundo lugar, o artigo faz alusão à função sacerdotal. Quanto a isso, vale dizer que a Umbanda propriamente dita não tem sacerdotes. A função de direção dos trabalhos é conferida a pessoas de evidente ascendência intelectual e moral e com notórios conhecimentos dos fundamentos da religião, além, é claro, de capacidade de liderança sobre o grupo.

            Vale ainda informar que, em consonância com a orientação do plano espiritual, a Umbanda em seu segundo século de existência começou a passar por um processo de renovação tendente a orientá-la no sentido de um corpo de doutrina próprio e mais homogêneo, abolindo práticas que nunca foram típicas dos mentores que compõem a Corrente Astral de Umbanda. Nesse momento, por todo o país, inúmeros grupos já se organizam nesse sentido.

            De resto, não há dúvidas de são religiões diferentes e acho mesmo desejável que assim o seja. Os umbandistas, no entanto, insistem em se afirmarem espíritas e entendo que o somos latu sensu. Seria importante que os espíritas de orientação kardekiana entendessem essa tendência como um apelo a uma convivência fraterna e construtiva que, entendo, pode e deve existir.
Parabéns novamente pelo artigo.

Saudações em Cristo.


POR: NÚCLEO DE ESTUDOS UMBANDISTAS

domingo, 28 de outubro de 2012



Se encontra atualizada a seção de ESTUDOS em nosso blog:
Leiam e divulguem...

sábado, 27 de outubro de 2012


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Pare de reclamar e mude a sua vida!

       Uma pessoa que deseja realmente crescer, melhorar e evoluir deve, em primeiro lugar e acima de tudo, desejar genuinamente que algumas mudanças ocorram em sua vida. Para tanto, ela deve saber que as mudanças externas, sejam em relação ao trabalho, à situação financeira, ao relacionamento com pais, filhos, namorado, enfim, sejam em qualquer área de sua vida, é essencial que haja, antes, uma mudança interna.

            Ou seja, que ela mude sua forma de pensar, de agir e de se comportar diante da vida. Tem uma frase da Programação Neurolingüística (PNL) que diz assim:
Se você continuar tendo as mesmas atitudes que sempre teve, vai continuar obtendo os mesmos resultados que sempre obteve.
Isso significa que para obter novos resultados é preciso ter novas atitudes!

            Certamente, muitas pessoas pensarão: Ah, mas isso é óbvio! No entanto, fico impressionada com a quantidade de pessoas que tenho visto reclamando da situação em que se encontram, da vida que têm levado e das conquistas que gostariam de fazer e não conseguem... Essas pessoas parecem estarem sofrendo de uma espécie de surdez, cegueira e mudez!

            E mais: de certa forma, parecem estar com uma paralisia mental e espiritual. Reclamam, reclamam e reclamam, mas não se arriscam a mudar absolutamente nada! Continuam fazendo tudo igual, todos os dias, automaticamente, como se fossem máquinas, como se por trás dessas atitudes não houvesse uma nobre missão a ser cumprida, como se a vida fosse uma sequencia de atitudes sem sentido e mecânica...

            E, muitas vezes, não é por falta de recursos ou de sugestões. Se a gente sugere um livro, dizem que não têm tempo. Se a gente sugere um curso, dizem que não têm tempo ou não estão com ânimo, que estão cansadas ou até que acham uma bobagem... Se a gente sugere um passeio ou um comportamento diferente, mostram-se desinteressadas ou, de repente, surgem vários compromissos do tipo: tenho que fazer a unha, preciso visitar o túmulo do vizinho da minha tia, preciso pintar a minha casa de roxo porque disseram que dá sorte!.

            Enfim, escuto as desculpas que essas pessoas arrumam com praticamente o mesmo peso que as piadas acima...
            Pois eu gostaria de ser um pouco menos educada e dizer umas boas para algumas pessoas que pensam que o ouvido dos outros é penico e desperdiçam os seus dias reclamando de tudo e nada fazem para mudar, para conquistar o que desejam (ou o que nem sabem que desejam, pois estão sempre mais interessadas em falar daquilo que não desejam mais!).

            Aproveito então para sugerir em bom tom que se você não está satisfeito com a vida que tem levado, se deseja realmente mudar, melhorar, tornar-se uma pessoa mais feliz, que você comece a agir de modo diferente! Não sabe como?!? Tudo bem... isso não é motivo para desistir!

            Procure ajuda, leia, faça cursos, observe pessoas bem-sucedidas, procure uma terapia (existem muitas), enfim, pare de reclamar e de poluir o planeta com suas frustrações e saiba, de uma vez por todas, que as mudanças em sua vida dependem de você. Você é o único responsável por ela!!! E, de coração, muita luz e amor para você, além de meus sinceros parabéns!, pois mudar é uma atitude digna de elogios!


POR CARLA  é terapeuta Holística

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Como encontrar sua intuição

            Falar em intuição é fácil, difícil é saber distingui-la de um mero pensamento. Teoricamente, todos os seres humanos são intuitivos, pois a intuição é nossa própria voz que chega direto à nossa mente e coração, sem influências e más interpretações. Ela não tem, na verdade, nada de místico. Ela é real e faz parte de nossas vidas desde sempre.
            O que acontece é que vivemos numa sociedade na qual o silêncio é pouco aproveitado e valorizado. Se estamos sozinhos, nos fazemos companhia criando um diálogo sem fim dentro da mente, como se fôssemos pessoas tagarelas, pulando de um assunto a outro, sem muita conexão, apenas para preencher o vazio.

CONEXÃO CONSIGO MESMO

            E, quando estamos com alguém, pensamos ser estranho ficarmos em silêncio, pois a sociedade impõe "fazermos sala", darmos atenção, etc. Então, o que realmente preenche nossas vidas são uma série de pensamentos artificiais de coisas que precisamos fazer, de situações que já se foram, de preocupações, ansiedades, justificativas internas e um monte também de besteiras com quais não precisaríamos perder nosso tempo.
            Mesmo assim, de vez em quando somos brindados com um momento de grande lucidez e calma, no qual temos certeza do que precisamos fazer. Quando isso se dá, sabemos que estamos experimentando intuição. Porém, como se pensa que é algo do qual não temos controle, acreditamos que é um momento especial que somente poucas pessoas podem vivenciar e continuamos presos em nossas rotinas de dúvidas.
           
            Por isso, aqui vão algumas dicas de como acessar a intuição todos os dias, melhorando sua qualidade de vida: 

- Cultive o silêncio, mesmo quando estiver sozinho. Você não precisa pensar o tempo todo para ser eficiente;
- Pensar é diferente de ter pensamentos. Isso significa que é melhor ter qualidade do que quantidade. Se você já decidiu algo, ficar pensando e repensando se é mesmo o que devia ter feito, só irá lhe deixá-lo mais inseguro e desgastado;
- Foque mais no presente. Lembrar-se do passado e projetar o futuro também gasta energia e tempo precioso. Além disso, lhe impedem de prestar atenção ao que realmente é importante no seu dia-a-dia;
- Todos os dias reserve um momento para entrar em conexão consigo mesmo. Tente perceber o que realmente está sentindo e quais são os pensamentos mais frequentes. Pode ser que você esteja se enganando ou não se permitindo realizar algo e, isso só é possível de perceber quando nos aquietamos;
- Não duvide de si mesmo. Se você sentir que deve fazer algo, faça. Não se ridicularize ou se deixe vencer pelo raciocínio. Muitas vezes a intuição nos leva por caminhos improváveis que são exatamente aquilo que precisamos para sermos felizes.

POR:   KARINA SENSALES  -  INSTITUIÇÃO LUZ DA SERRA