Páginas

sábado, 24 de março de 2012

Noé

Noé ou Noach (do hebraico נח, "descanso, alívio, conforto" ) é o nome do heroi bíblico que "recebeu ordens de Deus para a construção de uma arca, para salvar a Criação do Dilúvio". De acordo com o Pentateuco, os cinco primeiros livros do tradicional velho testamento da Bíblia escritos por Moises, Noé era filho de Lameque, que era filho de Matusalém, que era filho de Enoque, que era filho de Jarede, que era filho de Malalel, que era filho de Cainan ou Quenã, que era filho de Enos, que era filho de Sete, que era filho de Adão que era filho de Deus.
Seus três filhos mais conhecidos eram Sem, Cam ou Cã e Jafé.
A mulher de Noé (Gênesis 6:18; 7:7, 13; 8:16, 18), segundo a tradição judaica não bíblica, é chamada de Noéma ou Naamá (Na'amah - cheia de beleza) uma mulher cananita. Há quem a identifique[quem?] como proveniente da descendência de Caim, sendo irmã de Tubalcaim que era filho de Lameque. Por ter sido considerada de menor importância, o seu nome não vem mencionado no Pentateuco ou no Torá, na história de Noé. No livro dos Jubileus, o seu nome é conhecido por Enzara e seria sobrinha do Patriarca.

O nascimento de Noé (segundo livro de Enoque)
O nascimento de Noé é relatado no apócrifo de Enoque e relata a história de uma estranha criança. Conta a história que Matusalém escolheu uma esposa para o seu filho Lameque e esta ficou grávida de um filho. Quando este nasceu repararam que era um bebê muito diferente dos outros e o seu pai teve medo. Ao ter medo dirigiu-se ao Matusalém para lhe contar o sucedido e disse-lhe: "Eu tive um filho estranho, diferente de qualquer homem, e a sua aparência é como a dos filhos de Deus do céu; e a sua natureza é diferente e não é como um de nós." (Enoque 106:7)
Matusalém ouvindo isto viajou para longe, ao encontro de Enoque e contou-lhe o sucedido e este ouvindo tudo lhe respondeu: "O senhor fará algo de novo na terra, porque na geração de meu pai Jared, alguns dos Anjos do Senhor transgrediram a palavra de Deus e a sua lei, e uniram-se pecaminosamente com as filhas dos homens e tiveram filhos. Estes filhos resultantes desta união foram gigantes, não de acordo com o espírito mas de acordo com a carne. Por isto, Deus destruirá a terra com um grande dilúvio e haverá grande destruição e castigo. E este filho que nasceu de teu filho será salvo, e os seus filhos com ele. E toda a humanidade restante morrerá." (Enoque 106:13-17)
Os livros de Enoque e esta história não foram aceitos pelos Judeus, porque, segundo a sua doutrina, os Anjos não se poderiam misturar com as mulheres comuns. Além disto, Matusalém não poderia ter feito qualquer menção a respeito de Noé a Enoque, pois este já não podia ser encontrado mesmo alguns anos antes do nascimento de Noé, conforme a Bíblia, no capítulo 5 do Livro de Gênesis, versículos 21 a 29.Afirma-se entretanto que a origem deste episódio, estaria na Bíblia, em uma das interpretações para os versículos 1 e 2 do capítulo 6 do livro de Gênesis.

História bíblica
A história de Noé encontra-se no livro de Gênesis, sendo seu nome mencionado pela primeira vez em 5:29, encerrando com sua morte, em 9:29, com 950 anos. O relato conta que Noé era descendente da linhagem de Sete, e viveu numa época em que as outras linhagens humanas (a partir dos descedentes de Caim e dos próprios parentes de Noé, provavelmente) mostraram-se corrompidas.

 

O Dilúvio

O livro de Gênesis diz que "E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente." (Gênesis 6:5) e decidiu eliminar a população provocando uma grande inundação. Porém, resolveu poupar a vida de Noé e de sua família, o qual era um homem justo e achou graça aos olhos do senhor (Gênesis 6:8).
Deus, então, falou com Noé, ordenando-lhe a construção de uma grande embarcação, onde ele reuniria todos os animais da Terra (do hebraico "ארץ" = Eretz. significa região) pelos 40 dias de dilúvio. Noé então reuniu um casal de cada espécie e abrigou sua família no interior da arca. A arca teria repousado nos Montes Ararat (Urartu), atual Turquia, por um período de quase 8 meses até que Deus confirmou o momento que poderiam descer da arca.

O repovoamento da Terra

A Noé e seus descendentes coube a tarefa de povoar a região. A fonte extra-bíblica de Flávio Josefo detalha em pormenores a descendência de Noé, e quais povos cada um de seus filhos e netos teria dado origem. Em certa altura, Noé embebedara-se com o vinho produzido de sua própria videira de tal modo que encontrou-se nu em sua tenda. Seu filho Cam o viu e faz saber aos que estavam fora. Seus irmãos sabendo entraram na tenda de costas para cobrirem Noé sem o ver nu. Quando recobrou a consciência, Noé amaldiçoou seu neto Canaã, filho de Cam, porém abençoando seus outros filhos, Sem e Jafé.
A história de Noé tem forte significado simbólico sobre boa parte da história de Israel, principalmente durante o período da conquista de Canaã narrada no livro de Josué. A maldição de Noé certamente foi usada pelos povos semitas (ou seja, descendentes de Sem, cujos hebreus fazem parte) como justificativa para a conquista da terra de Canaã (ocupada pelos cananeus, alegadamente descendentes de Canaã, neto amaldiçoado de Noé).

Longevidade de Noé

De acordo com o texto bíblico, Noé teria vivido 950 anos. Tinha 500 anos quando gerou a Sem, Cam e Jafé. Com a idade de 600 anos, enfrentou o dilúvio e ainda viveu mais três séculos e meio, o que significa que poderia ter falecido nos dias de Abraão, já na décima geração de seus descendentes.
Idades dos patriarcas
nome
idade ao ser pai
idade ao morrer
Adão
130
930
Sete
105
912
Enos
90
905
Cainan
70
910
Mahalalel
65
895
Jarede
162
962
Enoque
65
365
Matusalém
187
969
Lameque
182
777
Noé
500
950
Sem
100
600
Arpachade
35
438
Selá
30
433
Éber
34
464
Pelegue
30
239
Reú
32
239
Serugue
30
230
Naor
29
148
Terá
70
205
Abraão
100
175
Isaque
60
180

Descendentes de Noé

Nações bíblicas descendentes dos filhos de Noé
Sem
Cam
Jafé
Hebreus
Cananeus
Gregos
Caldeus
Egípicios
Trácios
Assírios
Filisteus
Citas
Elamitas
Hititas
Frígios
Sírios
Amorreus
Medo-Persas
Os descendentes de Sem eram chamados semitas. Os descendentes de Cam estabeleceram-se em Canaã, no Egito e na África. Os descendentes de Jafé estabeleceram-se, em sua maioria, na Europa e Ásia Menor.

A visão Muçulmana

O Alcorão afirma que Noé estava sendo inspirado por Deus, semelhante a outros profetas como Abraão, Ismael, Isaac, Jacob, Jesus, Jó, Jonas, Aarão, Salomão, David e Muhammad, e que ele era um fidedigno mensageiro. (4:163, 26:107)
Ele continuamente e abertamente alertou as pessoas dos tormentos que estavam vindo, porque eles foram iníquos e não obedeceram a Deus por cerca de mil anos (11:25, 29:14, 71:1-5). Ele chamou o povo para servir a Deus, e disse que ninguém, além de Deus poderia salvá-los (23:23). Ele disse que o tempo do dilúvio foi declarado e não podia ser adiado, e que o seu povo deveria retornar a Deus, para que Ele possa perdoá-los (7:59-64,
  • 11:26 ).
·         Os chefes tribais, incrédulos, disseram que Noé certamente estava em um erro evidente, e era somente um mortal como eram. Noé respondeu a esta acusação de que ele não estava errando, mas que ele foi o mensageiro do Senhor do Universo e transmitiu-lhes as mensagens de Deus. Noé foi enviado como um aviso, para dar às pessoas uma chance para se arrependerem e serem perdoados, e para encontrar misericórdia (7:59-64,
  • 26:105-110 ).
·         Deus comandou Noé para construir um barco por Sua inspiração. Como começou a construir o navio, os chefes tribais passavam por ele e o escarneciam. Após a sua conclusão, o navio estava carregado com animais domésticos e Noé(11:35-41). As pessoas que negaram a mensagem que Noé retransmitiu e foram afogados (7:64), o filho de Noé também foi um deles (11:42-48). Este último pormenor não é perceptível em outras fontes, e o Alcorão trata-o como uma prova para a sua originalidade. (11:49).
·         Noé é chamado de "um servo agradecido" (17:3). Entre as sementes de Noé (e Abraão), é colocada a profecia e a escritura (57:26).

Similariedades

A história do dilúvio, como outras do Velho Testamento, não é um fato exclusivo da Bíblia. Esta história escrita por Moisés é similar as outras tão antigas quanto a de Utnapishtin no épico de Gilgamesh ou mesmo outro herói sumério chamado de Ziusudra, no entanto a sua importância reside no fato de ser a História do Dilúvio um marco entre duas formas de contar o tempo. O Ano Solar baseado nas estações do ano ou no caso nas cheias do Nilo e o Ano lunar, baseado na lua cheia e nas marés de sizígia, esse último explicaria então a alegada longevidade dos lendários personagens bíblicos (77,5; 76; 75,42; 75,83; 74,58; 80,17; 30,42; 80,75; 64,75; 79,17; 50; 36,5; 36,08; 38,67; 19,92; 19,92; 19,17; 12,33; 17,08; 14,58; 15) inclusos no livro do Pentateuco.(Não explica a idade que tiveram filhos: 10,83 ; 8,75; 7,5; 5,83; 5,42; 13,5; 5,42; 15,58; 15,17; 41,67; 8,33; 2,92; 2,5; 2,83; 2,5; 2,67; 2,5; 2,42; 5,83; 8,33; 5)
Tal história, também pode ser observada entre os gregos antigos no mito do Deucalião.

Paralelismo

Outros gêneses e outras histórias de civilizações ao redor do planeta, semelhantes à de Noé, são também relatadas. Foi encontrada em Nipur, na Babilônia meridional, uma tabuinha de 1600 a.C. contendo a história de uma devastadora inundação.
Os sumérios também já haviam relatado uma história semelhante, muito antes mesmo dos hebreus surgirem como povo.
Identidade de Noé
Família:Descendente de Set
Nome: Noé
Significado: "descanso"
Avô: Matusalém
Mãe: não se sabe
Pai: Lameque filho de Matusalém
Esposa: Naama
Sogro: Lamec
Irmãos: não se sabe
Filhos: Sem, Cam eJafé
Local de Nascimento: Churupaque
Localização Temporal: 4000 a.C.
Tempo de Vida: 950 anos
Motivo de Morte: Não há relatos específicos da morte
Local de Morte: região do Monte Ararat

Referências bíblicas

·        Gênesis 5:28-10:32
·        1 Cronicas 1:3,4
·        Isaías 54:9
·        Ezequiel 14:14,20
·        Mateus 24:37,38
·        Lucas 3:36; 17:26,27
·        Hebreus 11:7
·        1 Pedro 3:20
·        2 Pedro 2:5
Fonte: Bíblia, Alcorão - Compilação: Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário