Páginas

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Sexo, drogas e família

Hoje é muito comum vermos notícias e até mesmo conhecermos pessoas envolvidas com drogas; adolescentes que inicial sua vida sexual muito cedo e logo engravidam e outras coisas tomadas como “coisas da vida” pela maioria das pessoas.
É importante saber que a causa desses males e sua solução, reside no mesmo instrumento: A Família.
Com a vida atribulada e a correria do dia a dia nas grandes cidades, as famílias estão enfrentando uma verdadeira desintegração de sua principal característica: A união. Raramente encontramos famílias que almocem e jantem juntas a mesa. O diálogo entre pais e filhos é sempre povoado de desconfianças, ameaças e falta de atenção de ambas as partes. E isso, é responsável pela sensação de abandono e desamparo que leva muitos jovens para o negro universo das drogas.
Um apoio familiar firme e uma boa dose de diálogo e confiança são elementos primordiais para o bom funcionamento das relações familiares e a conseqüente cobertura protetora de seus membros mais jovens. Saber lidar com um adolescente rebelde e contestador pode ser desgastante e, até mesmo, frustrante. Mas deixá-lo de lado tentando não polemizar e não “bater de frente” com seus erros, é entregá-lo facilmente ao abraço mortal desse caminho sm volta. Se você tem dificuldades em falar com seu filho e sente que ele está se perdendo, procure ajuda na figura de alguém em que você confie ou na forma de um médico atencioso e preparado para tal. Jamais desista e parta para o enfrentamento. O amor e a fé no poder de Jesus Cristo devem sempre nortear seus passos e serem sua força motriz.
O mesmo se refere à gravidez na adolescência. Pregar a abstinência é válido e desejável. Faça a menina ou o menino entenderem que a vinda de um filho, num momento tão impróprio e para o qual não estão preparados nem física nem psicologicamente será desastroso. Prejudicará seus estudos, sua vida social e certamente privará o pai ou a mãe precoce de um futuro mais centrado e bem direcionado.
Transformar o sexo em algo mal e sujo não adianta. Lembre-se que ele é um impulso natural do ser humano e uma prioridade biológica. Faça então sua filha ou seu filho entenderem que a prática do sexo exige a responsabilidade de quem o pratica. Mostre a eles os métodos contraceptivos existentes e demonstre todas as renúncias que um filho nos obriga a fazer. E, principalmente, deixe bem claro que será DELES a responsabilidade de criar, alimentar e manter a criança. Logicamente, você dará apoio e proteção, nunca desamparando, mas assumir o papel de mãe do futuro bebê, só levará a repetição do fato.
Faça seu filho ou sua filha sentirem que tem um futuro brilhante pela frente. Que poderão construir uma carreira e, quando estiverem prontos, terem seus filhos. Mas que, se isto acontecer agora, essa ordem natural será investida e todos esses sonhos se transformarão em frustrações e sentimentos de revolta.
Em ambos os casos, a família deve ser o centro de proteção e o elo de força da corrente. O diálogo, o companheirismo e a compreensão devem fazer parte do dia a dia de qualquer família bem estruturada. Educar e orientar para evitar o triunfo do mal, essa deve ser a lei obedecida cegamente em todos os lares.
Saudações e que Deus abençoe a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário